Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021
(67) 99820-0742

Pesquisa mostra que Zika pode provocar distúrbio no fundo do olho das crianças

31 maio 2016 - 15h39

Um estudo feito com 40 crianças nascidas em Pernambuco, cujas mães foram infectadas pelo zika, comprovou que há relação entre a infecção pelo vírus e distúrbios graves nos olhos do bebê. A pesquisa, coordenada pelos médicos Rubens Belfort Júnior e Maurício Maia, com a participação de cientistas da Fundação Altino Ventura, do Recife, mostrou que das 40 crianças analisadas e que tinham microcefalia, quase metade (46% do total) apresentou distúrbio ou lesão no fundo do olho. Desse total, 68% apresentavam distúrbio nos dois olhos.

Em entrevista à Agência Brasil, o oftalmologista Maurício Maia, professor do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), disse que quanto maior o quadro de microcefalia, maior a probabilidade de a criança desenvolver um problema no fundo do olho. “Quanto mais precoce é a infecção [pelo vírus Zika] da mãe, no primeiro trimestre principalmente, e quanto mais microcefálico é o bebê, ou seja, menor é a cabeça, maiores são as chances dessas crianças de ter o fundo do olho também com a doença”, disse Maia.

“É preocupante quando a mãe adquire a infecção em qualquer nível da gestação, mas é muito mais preocupante quando ela ocorre no primeiro trimestre”, ressaltou.

Políticas públicas

O estudo, segundo Maia, mostra a necessidade de que os bebês de mães que contraíram o vírus Zika durante a gravidez sejam acompanhados por um oftalmologista precocemente. “Se a mãe, durante a gravidez, tem sinais ou sintomas de vermelhidão na pele, dores articulares ou febre que dura cinco dias, ela pode ter sido infectada pelo Zika, principalmente se ela estiver em áreas endêmicas. As crianças que são nascidas de mães que tiveram sintomas compatíveis com o vírus precisam passar por uma avaliação oftalmológica porque essas lesões no fundo do olho, se forem estimuladas precocemente, podem desenvolver áreas na visão que, se estimuladas, elas [crianças] poderão enxergar alguma coisa”, disse Maia.

Caso não sejam estimuladas, essas crianças poderão ter a visão muito mais comprometida, podendo até ficar cegas no futuro. “Se não forem estimuladas precocemente, nos primeiros meses de nascimento, elas vão desenvolver uma visão pior que pode levar à cegueira, em alguns casos”.

O recado do médico às mães que tiveram Zika é para que procurem o quanto antes um oftalmologista para o diagnóstico da doença e o início imediato do tratamento, caso as lesões sejam confirmadas. “As crianças precisam ser estimuladas precocemente para ter uma vida a mais normal possível”, alertou.

A próxima etapa da pesquisa pretende investigar também a possibilidade de que crianças com mães que tiveram Zika na gravidez desenvolvam problemas oculares, independentemente da microcefalia. “Achamos que isso é possível em alguns pacientes que estamos observando”, disse o oftalmologista.

 

Fonte: Diário Online

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SES faz reunião para tratar sobre logística da chegada da vacina contra Covid-19 em Mato Grosso do Sul
Fim de semana será de tempo instável e temperaturas amenas
Com o Painel Mais Saúde, população pode conferir em tempo real situação de ocupação de leitos no Estado
Funtrab busca candidatos formados em Ciências Contábeis, Administração, Engenharia Civil e Farmácia
Alunos de Escola de Autoria de Corumbá vão às ruas divulgar vagas disponíveis
Concessão de rodovia MS-306 gera empregos em cidades de MS e já melhora tráfego na região
Reinaldo Azambuja lança recapeamento da MS-382 e beneficia turismo e agronegócio
CAF vai financiar projeto de viabilidade da relicitação da ferrovia Malha Oeste
Detran-MS disponibiliza em sua sede na Capital wi-fi gratuito aos clientes
Com 1.101 vagas, inscrição para vestibular UEMS 2021 vai até 24 de janeiro