Menu
Busca segunda, 18 de janeiro de 2021
(67) 99820-0742

Em silêncio, Giroto e Amorim deixam presídio após 42 dias detidos

22 junho 2016 - 15h58

Foram soltos às 0h15 desta quarta-feira (22) os sete investigados pela Operação Fazenda de Lamas, segunda fase da Operação Lama Asfáltica. Quatro deles - o empreiteiro João Amorim, o ex-secretário de Obras, Edson Giroto, o servidor da Agesul, Beto Mariano, e o cunhado de Giroto, Flávio Scrocchio - estavam no Centro de Triagem do Complexo Penal de Campo Grande.

Nenhum deles quis falar com a imprensa na saída do presídio. Eles foram beneficiados com habeas corpus do STF (Superior Tribunal Federal), em decisão do ministro Marco Aurélio, na tarde de terça-feira (21). Porém, a ordem de soltura demorou para ser dada - apenas às 22h07 -, com a ida da oficial de Justiça à penitenciária acontecendo perto da meia-noite.

A situação fez com que houvesse longa espera da imprensa em frente ao Centro de Triagem, por quase 9 horas. O primeiro a sair da prisão foi Wilson Roberto Mariano de Oliveira, servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) conhecido como Beto Mariano. Rapidamente, ele se dirigiu para o carro de seu advogado, Hilário de Oliveira.

Em seguida, quem saiu foi Edson Giroto, com a barba sem fazer, cabelo sem corte e óculos, além de um leve sorriso no rosto. O ex-secretário de Obras da prefeitura de Campo Grande e Governo do Estado, durante às administrações de André Puccinelli, não quis conversar com a imprensa, mesmo sendo cercado por vários repórteres, fotógrafos e cinegrafistas.

Logo o ex-secretário e ex-deputado federal também entrou na camionete do advogado Valeriano Fontoura e usou a sacola em que estavam seus pertences para tampar o vidro do passageiro e se esconder, tentando evitar ser fotografado e filmado.

O advogado Valeriano também defende o cunhado de Giroto, o empresário Flávio Henrique Scrocchio. Ele e o dono da Proteco, João Alberto Krampe Amorim - defendido por Benedicto Figueiredo -, foram os últimos a sair e se aproveitaram do tumultuo sobre Giroto para fugir dos holofotes.

Prisão domiciliar -

Na saída, já no ermo da madrugada e no frio do Jardim Noroeste, nenhum familiar a espera dos acusados, apenas advogados e a imprensa. Em parte, a situação é explicada porque uma parcela dela também estava presa preventivamente, em regime do domiciliar, recebendo soltura logo depois dele.

Logo após a oficial de Justiça entregar o habeas corpus do quarteto no Centro de Triagem, ela foi às casas das três mulheres detidas pela Fazenda de Lamas para também autorizar a soltura delas.

As beneficiadas foram Elza Cristina dos Santos, sócia de Amorim na Proteco, a filha do empresário, Ana Paula Amorim Dolzan e a mulher de Giroto, Rachel Portela Giroto, além de Mariane Mariano de Oliveira, filha de Beto Mariano.

Todos os citados foram presos na Operação Fazendas de Lama, que é a segunda fase da Operação Lama Asfáltica, deflagrada em 9 de julho do ano passado. Nesta última operação, foi investigado onde era investido o recurso federal desviado das obras executadas em Mato Grosso do Sul.

 

Fonte: Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

"A luz da ciência chegando via Butantan e Fiocruz!", diz Mandetta nas redes sociais
Denúncia anônima pelo 181 da PM ajuda no combate de crimes
Enfermeira que tomou 1ª dose de vacina no Brasil pede para população não ter medo
Empreendedora de turismo investe na agricultura familiar e resolve divulgar produção no Manucã
Mato Grosso do Sul recebe 97 mil doses de vacina contra Covid-19
Povo das Águas atende ribeirinhos da parte alta do rio Paraguai a partir do dia 19
Em depressão, mulher enforca filha de três anos até a morte e se mata
Após aprovação pela Anvisa, Corumbá aguarda a chegada das doses da vacina contra a Covid-19
Coronavac chega às 10h em Campo Grande com reforço: são 158.766 doses
Jovem de 21 anos é assassinado a tiros em Corumbá