Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99820-0742
Pref Fevereiro 2021

Projeto de Bolsonaro prevê eliminar multa para motorista que levar criança sem cadeirinha

05 junho 2019 - 11h00Por Auto Esporte

projeto de lei que altera o Código de Trânsito Brasileiro apresentado nesta terça-feira (4) ao Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro propõe eliminar multa para motoristas que transportarem crianças de forma irregular.

 

O texto diz que a violação do artigo 64, que dispõe dessas regras, "será punida apenas com advertência por escrito", mas ainda precisa ser aprovado por deputados e senadores para entrar em vigor.

 

Como serão as regras?

 

Pela proposta enviada ao Congresso, crianças de até 7,5 anos de idade devem ser transportadas nos bancos traseiros e utilizar "dispositivos de retenção" adaptados ao peso e à idade (no caso, cadeirinha ou assento especial). As maiores de 7,5 anos e menores que 10 anos devem ser levadas no banco traseiro e utilizar cintos de segurança.

De acordo com a Casa Civil, a antiga aplicação de multas para motoristas fora das regras das cadeirinhas foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal.

Em abril, o STF julgou como inconstitucional norma do CTB que permitia ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) criar sanções para infrações de trânsito, como era o caso das multas para cadeirinhas. Porém, o processo sofreu embargos de declaração e ainda aguarda manifestação definitiva do Supremo, segundo o presidente da comissão de trânsito da OAB-SP, Rosan Coimbra.

Na resolução do Contran, o transporte de crianças fora das normas de segurança é considerado infração gravíssima, punida com multa e com retenção do veículo até que a irregularidade seja resolvida.

Na justificativa do projeto de lei, o Ministério da Infraestrutura defende que "ao mesmo tempo em que se garante a manutenção da exigência, se toma providência para evitar exageros punitivos".

 

'Sem caráter punitivo'

 

Rosan Coimbra, da OAB-SP explica que a mudança coloca dentro do código de trânsito uma exigência que antes só existia na regulamentação.

"[O uso da cadeirinha] era considerado obrigatório, quando não estava previsto no código de forma clara. O Contran criou a regulamentação sem que houvesse o embasamento na lei. E na ação direta de inconstitucionalidade 2998 o Supremo disse que o Contran não pode criar obrigações que não estão previstas na lei", explicou. "A intenção do governo em apresentar esse projeto de lei é justamente pacificar a questão e não deixar insegurança jurídica", completou.

Por outro lado, o texto também abranda a punição para o motorista que transportar crianças sem cadeirinha, já que prevê que a violação da regra será "punida apenas com advertência por escrito".

"É praticamente a inutilização do artigo, praticamente tiraram o caráter punitivo. [Porque] uma advertência é um simples aconselhamento, a pessoa não vai ter uma consequência", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bolsonaro leva projeto de privatização dos Correios; houve tumulto e porta estilhaçada na Câmara
Casal é morto em casa e na frente da filha de cinco anos
Aumento de nuvens provocam pancadas isoladas de chuva à tarde
Com estoque zerado, Hemosul convoca doadores de O negativo
Com quase 10% colhida e ajuste para menor na área, safra da soja deve ultrapassar 11,2 milhões de toneladas
Corumbá conta com novo método de prevenção à infecção pelo HIV
Bradesco atendeu 227 servidores no primeiro dia agendamento para abertura de contas
Prefeitura promove campanha “A alegria da pesca voltou a Corumbá”
Comissão Intergestores Bipartite da assistência social realiza primeira reunião do ano nesta quinta-feira
Turistas estrangeiros avaliam gastronomia sul-mato-grossense como a melhor do Brasil