Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99820-0742
Mato Grosso do Sul

Em MS, 156 crianças esperam por um lar adotivo; mais de 1 mil estão em abrigos

09 junho 2019 - 11h15Por Top Midia News

Das 1043 crianças e adolescentes acolhidos em abrigos no Estado de Mato Grosso do Sul, apenas 14%, ou seja, 156, estão aptos para serem adotados. Os dados são do Tribunal de Justiça de MS, com base em informações do Cadastro Nacional de Adoção (CNA). Isto ocorre porque a prioridade é deixar as crianças com familiares.

A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça explica que a criança só se torna apta à adoção depois de esgotadas todas as chances de voltar para os próprios pais e, alternativamente, para algum parente de sangue. Só então a criança ou adolescente é disponibilizado para a adoção.

Não é possível informar com precisão quanto tempo demora este processo porque os casos são muito distintos. Em Campo Grande, são 155 crianças acolhidas e 40 aptas à adoção.

PROCESSOS CONCLUÍDOS

Do início do ano até agora, foram concluídos 16 processos de adoção em Campo Grande. No ano passado, foram 59 ao todo. Isto não quer dizer que 59 pessoas tenham sido adotadas porque alguns processos envolvem grupos de irmãos. Ou seja, o número pode ser maior.

A ADOÇÃO

Os interessados em adotar devem procurar a Vara de infância e juventude do município tendo em mãos os seguintes documentos: RG, CPF, certidão de casamento ou nascimento; comprovante de residência; comprovante de rendimentos ou declaração equivalente; atestado ou declaração médica de sanidade física e mental; certidões cível e criminal.

A idade mínima para se habilitar à adoção é 18 anos, independentemente do estado civil, desde que seja respeitada a diferença de 16 anos entre quem deseja adotar e a criança a ser acolhida.

Uma petição deverá ser preparada por defensor ou advogado particular e depois o interessado passará por um curso de preparação psicossocial e jurídica para adoção.A partir do laudo da equipe técnica da Vara e do parecer emitido pelo Ministério Público, o juiz dará a sentença. Com o pedido acolhido, o nome do interessado é inserido nos cadastros, válidos por dois anos em território nacional.

Existe uma fila de espera até a finalização do processo. Neste período tentam escolher uma criança ou adolescente com perfil apontado pela futura família. No final do processo, é possível até mudar o nome e sobrenome da criança, com autorização judicial.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Casal é morto em casa e na frente da filha de cinco anos
Aumento de nuvens provocam pancadas isoladas de chuva à tarde
Com estoque zerado, Hemosul convoca doadores de O negativo
Com quase 10% colhida e ajuste para menor na área, safra da soja deve ultrapassar 11,2 milhões de toneladas
Corumbá conta com novo método de prevenção à infecção pelo HIV
Bradesco atendeu 227 servidores no primeiro dia agendamento para abertura de contas
Prefeitura promove campanha “A alegria da pesca voltou a Corumbá”
Comissão Intergestores Bipartite da assistência social realiza primeira reunião do ano nesta quinta-feira
Turistas estrangeiros avaliam gastronomia sul-mato-grossense como a melhor do Brasil
MS terá conselho municipal de saúde animal visando evolução do status sanitário da Aftosa