Menu
Busca terça, 19 de janeiro de 2021
(67) 99820-0742

Dólares na fronteira: Casal 'doa' R$ 8 milhões para sair da cadeia, mas não revela quem é o dono

13 julho 2016 - 20h38

Quatro dias. É o tempo que ficou na cadeia o casal preso no sábado (9) com US$ 2,4 milhões, o equivalente a cerca de R$ 8 milhões, dinheiro possivelmente sujo, oriundo do crime organizado. Alexando Benevides, de 42 anos, e Eliete  Felisbino Benevides, de 45 anos, foram soltos nesta terça-feira (12), após audiência de custódia, feita por teleconferência com o juiz da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Odilon de Oliveira, na qual 'abriram mão' do valor, e ficaram livres sem revelar a origem de tanta grana.

O montante apreendido com eles, de acordo com o magistrado, agora pertence à União, e poderá ser usado para construir uma unidade policial na fronteira de Mato Grosso do Sul, segundo informou o juiz. Segundo Odilon, a quantia milionária em moeda estrangeira está em uma instituição financeira em Campo Grande.

Incidente

Na transferência de Corumbá para Campo Grande, o avião onde estavam  os valores teve o pneu furado e fez um pouso forçado no Aeroporto Internacional de Campo Grande. A pista principal chegou a ficar interditada, até que fosse providenciado um pneu de um avião da FAB  (Força Aérea Brasileira).
 
Apesar de os responsáveis pela investigação, e do próprio magistrado, terem clareza de que, dado o alto valor e a forma como ocorreu a apreensão, os dólares só podem ser dinheiro vindo de algum tipo de modalidade de crime organizado, o casal foi liberado sem informar a origem das notas. Agora, isso vai ficar para a investigação da Polícia Federal, cujo prazo inicial é de 30 dias, como qualquer inquérito.

O casal preso, segundo divulgado quando a apreensão ocorreu é morador de Guarulhos, na Grande São Paulo, e foi contratado para levar o dinheiro até Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, onde acabou preso.

De acordo com o DOF (Departamento de Operações de Fronteira), Alexandro e Eliete receberiam R$ 4 mil para levar o dinheiro de Guarulhos até Corumbá. O valor, que totalizou US$ 2.421.324,00, era levado em embrulhos de presentes, em malas. Os dois estavam um ônibus, na BR-262.

Alexandro e Eliete foram levados até a Polícia Federal de Corumbá e autuados por evasão de divisas, crime financeiro, que consiste em enviar divisas para o exterior de um país sem declarar à repartição federal competente

Operação ‘Corumbá Segura II’

A apreensão a Operação ‘Corumbá Segura II’ deflagrada pelo GGI-Fron (Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira) realiza o patrulhamento nas entradas e saídas da cidade para a repressão a crimes na fronteira. Como no caso da apreensão, também são realizadas a vistoria em veículos e buscas foragidos da Justiça.

A Polícia Militar, DOF (Departamento de Operações de Fronteira), Polícia Civil, PRF (Polícia Rodoviária Federal), Policia Federal, PMRv (Polícia Militar Rodoviária); Guarda Municipal, Agetrat; Marinha e órgãos de segurança participam da operação.
 
 
Fonte: Midiamax 
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

"A luz da ciência chegando via Butantan e Fiocruz!", diz Mandetta nas redes sociais
Denúncia anônima pelo 181 da PM ajuda no combate de crimes
Enfermeira que tomou 1ª dose de vacina no Brasil pede para população não ter medo
Empreendedora de turismo investe na agricultura familiar e resolve divulgar produção no Manucã
Mato Grosso do Sul recebe 97 mil doses de vacina contra Covid-19
Povo das Águas atende ribeirinhos da parte alta do rio Paraguai a partir do dia 19
Em depressão, mulher enforca filha de três anos até a morte e se mata
Após aprovação pela Anvisa, Corumbá aguarda a chegada das doses da vacina contra a Covid-19
Coronavac chega às 10h em Campo Grande com reforço: são 158.766 doses
Jovem de 21 anos é assassinado a tiros em Corumbá