Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021
(67) 99820-0742
maticula

Exército mata onça no local de passagem da tocha olímpica em Manaus

21 junho 2016 - 15h36

O Comando Militar da Amazônia, subordinado ao exército brasileiro, informou nesta segunda-feira que uma onça foi abatida em Manaus depois de escapar em um zoológico militar na cidade. O animal abatido havia participado do revezamento. 

O próprio exército exibiu mais cedo, no mesmo local, algumas onças acorrentadas. Os animais haviam posado para fotos e interagido com o público na cerimônia olímpica. Ao final do evento, um dos felinos acabou ameaçando uma fuga, o que foi testemunhado por pelo menos um condutor da tocha, conforme relatado ao UOL Esporte.

“A onça estava na minhas costas”, disse o fisioterapeuta Igor Simões, que carregou a chama olímpica no local. “Quando ela foi voltar à caminhonete, no final de tudo, alguma coisa aconteceu e ela se soltou. Mas já não tinha muita gente perto.” Nesse momento, o animal foi recapturado rapidamente.

Horas depois, o Comando Militar da Amazônia publicou uma nota oficial dizendo que uma das onças sob sua guarda escapou e precisou ser abatida com um tiro de pistola. Ainda de acordo com o órgão, a onça havia tentado atacar um dos militares que tentavam recapturá-la.

O que disse o exército:

“Uma equipe de militares composta de veterinários especializados no trato com o animal foi ao encontro [da onça] para resgatá-la. O procedimento de captura foi realizado com disparo de tranquilizantes. O animal, mesmo atingido, deslocou-se na direção de um militar que estava no local. Como procedimento de segurança, visando a proteger a integridade física do militar e da equipe de tratadores, foi realizado um tiro de pistola no animal, que veio a falecer.

O Comando do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) já determinou abertura de processo administrativo para apurar os fatos.”

Mascotes

O zoológico do Cigs conta com pelo menos seis onças-pintadas, que são consideradas mascotes dos grupamentos militares que agem no local. Algumas delas vivem em cativeiro desde filhotes e, adestradas, são frequentemente usadas em eventos oficiais, em desfiles e datas comemorativas.

 

Fonte: UOL Olimpíadas 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com mineradoras, prefeito discute segurança do tráfego na rodovia BR-262
Terça-feira de tempo claro, calor e pancadas de chuva à tarde
Corumbá recebe novo lote com 970 doses da vacina contra Covid-19
Onça solta no Pantanal já se alimentou e até atravessou o Rio Paraguai a nado
Agepan realiza Consulta Pública sobre Tarifa de Pedágio na MS-306
Terceiro lote de vacina contra a Covid-19 chega a MS
Rede Hemosul permite que moradores do interior também ajudem a salvar vi
Janeiro registra mais de 460 óbitos por coronavírus e já é o 3º pior mês da pandemia
Presidente da Assembleia assina pedido para assumir Governo até dia 30
Guedes sugere congelar salários do funcionalismo para evitar crise