Menu
Busca terça, 02 de março de 2021
(67) 99820-0742

Mais importante que título, quadrilhas são as cores, ritmo e tradição do Arraial

18 junho 2019 - 10h00Por Lado B

Cores, expressão corporal, música anima e muito arrasta pé fazem parte de uma das maiores manifestações culturais brasileiras: As quadrilhas juninas. E claro, não poderiam ficar de fora do Arraial de Santo Antônio, que neste ano teve cinco equipes em busca do troféu. Mais que levar o primeiro lugar para casa, o que conta para essa turma é a participação, são cerca de vinte minutos em frente ao público, mas que fazem valer os meses de ensaio, dedicação e investimentos que chegam à 4 mil reais.

 

Cada quadrilha levou um tema diferente para festa, o casamento caipira, um marcador, coreografia e figurino deveriam fazer parte da história narrada por exigência da da Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo). Para o 1º lugar, o prêmio em dinheiro é de R$ 3, 5 mil, o 2º lugar recebe R$ 2,5 mil e o 3º lugar leva pra casa R$ 1,5 mil.

A “Quadrilha Dona Maria” foi a primeira concorrente a se apresentar, de carroça e com cenário ao fundo, vestidos amarelos e saias esvoaçantes para as mulheres e camisas azuis e lenços xadrezes para os homens, a equipe narra a chegada de Antônio João à Campo Grande.

Quadrilha Dona Maria foi a primeira a se apresentar (Foto: Paulo Francis)Quadrilha Dona Maria foi a primeira a se apresentar (Foto: Paulo Francis)
Companhia Saí de Baixo trouxe inspiração do nordeste (Foto: Paulo Francis)Companhia Saí de Baixo trouxe inspiração do nordeste (Foto: Paulo Francis)
 

Jeferson de Souza é o responsável pelo texto e roteiro da apresentação inspirada no padroeiro e nos 120 anos da cidade. “Esse ano foi bem corrido, levamos um mês entre os ensaios e a produção do cenário. Cada figurino custou em média 150 reais, mais os cenários. Ao todo deu cerca de 4 mil reais”, conta.

 

Vindos de Jaraguari, a “Companhia Sai de baixo” foi buscar inspiração nas festas do nordeste e entrou até com a sombrinha de frevo na mão, carregando uma cruz como cenário e até um personagem vestido de balão, vestidos coloridos e camisas amarelas com coletes enfeitados pelas típicas bandeirinhas. Aproveitando para lembrar de São João Batista, eles lembraram a influência do santo nos festejos juninos.

O grupo teve em torno de um mês e meio de ensaio, de acordo com Miller Barbosa, coreógrafo da Companhia Sai de Baixo. “Primeiro escolhemos o tema, as músicas e o figurino. Vamos montando e durante os ensaios, o que não dá certo, vamos alterando”, explica.

Já a narrativa e o figurino ficaram por conta de Raquel da Silva Montealvão, que trouxe da internet as referências para o figurino. De acordo com ela, cada vestido, custou R$ 80 reais a confecção, mais a compra dos tecidos e dos acessórios, no total ficou em torno de R$ 250 a R$ 300 reais.

Rede Solidária apostou na coreografia e adereços mais simples (Foto: Romeu Luz - Sectur)Rede Solidária apostou na coreografia e adereços mais simples (Foto: Romeu Luz - Sectur)
Narrativa invertida, a Rede Solidária contou a história da noiva fujona (Foto: Romeu Luz - Sectur)Narrativa invertida, a Rede Solidária contou a história da noiva fujona (Foto: Romeu Luz - Sectur)
 

Já a narrativa e o figurino ficaram por conta de Raquel da Silva Montealvão, que trouxe da internet as referências para o figurino. De acordo com ela, cada vestido, custou R$ 80 reais a confecção, mais a compra dos tecidos e dos acessórios, no total ficou em torno de R$ 250 a R$ 300 reais.

 

A Rede solidária, projeto do governo do estado que atende crianças a partir dos 5 anos até adultos, com arte e oficinas de música, participou pelo segundo ano da competição e dessa vez apostaram na coreografia e no figurino. Usando oxford como tecido para os vestidos longos e saias rodadas, com acessórios feitos pelos próprios alunos para dar o toque final.

Como enredo, a quadrilha resolveu inverter o tradicional conto do noivo fujão e levou para festa uma noiva aventureira, que ao som de “Barquinho” do grupo tradição, deixou o futuro marido de plantão no altar e foi bater perna por Campo Grande. Contando mais com o carisma, as expressões corporais e coreografia que levou 20 dias para ficar pronta, do que com cenários e apetrechos, os gastos da Rede Solidária ficaram em torno de 1 mil reais, arrecadados através de padrinhos e doações.

Pega Fogo levou homenagem às festividades juninas (Foto: Romeu Luz - Sectur)"Pega Fogo" levou homenagem às festividades juninas (Foto: Romeu Luz - Sectur)

O “Grupo Pega Fogo” da Escola Municipal Consulesa Margarida Maksoud Trad levou uma homenagem às tradições juninas para o público. Com músicas e coreografias que relembraram festejos do século passado com coreografia mais lenta e ritmada, adicionando canções mais modernas à medida que dança progredia. Cláudio Ovando Piuna, conta o noivo foi o personagem central. “Ele tem na memória com foi o seu casamento e como foi brincar o festejo junino nessa época, então ele retorna ao sertão em busca disso novamente, mas quando ele chega lá, é um festejo mais estilizado, mais moderno. Mas ele também percebe que ainda existe o colorido e a música e se satisfaz com isso porque a tradição ainda se mantém”.

 

Foi necessário três semanas de montagem, incluindo escolha do tema, músicas e coreografia, tudo feito com investimento próprio. “Não contamos com apoio, então cada um se dedica tanto que no final o próprio prêmio não cobre os nossos gastos com figurino, transporte. Reduzimos bastante esse ano, mas gastamos em torno de R$ 3,5 mil a R$ 4 mil”, diz Cláudio.

Paulo Ricardo Gomes, participa da quadrilha da escola desde a quinta série, quando uma das professoras, vendo a dificuldade em quebrar a timidez, fez um convite para que participasse da quadrilha. “A partir daquele momento eu fui vencendo as barreiras, perdendo a vergonha e foi onde consegui fazer amigos. A animação e amizade que fica é muito bacana, com a separação da rotina, é na dança que nos reencontramos”.

Explosão Aquícola veio de Dourados representando a UFGD (Foto: Romeu Luz - Sectur)Explosão Aquícola veio de Dourados representando a UFGD (Foto: Romeu Luz - Sectur)
Quadrilha levou protesto e mensagem de esperança ao público (Foto: Romeu Luz - Sectur)Quadrilha levou protesto e mensagem de esperança ao público (Foto: Romeu Luz - Sectur)
 

Representando Dourados e a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), a Santo Antônio Explosão Aquícola se prepara para a apresentação há cinco meses e resolveu acrescentar à manifestação cultural uma mensagem política. Com narrativa que começa no cangaço de Virgulino e Maria Bonita, a história traz um grupo de retirantes que, cansados da vida de cangaceiros, procura uma “vida normal” no garimpo de uma cidade esquecida chamada Taperoá, na Paraíba. Quando o grupo finalmente recomeça e se estabelece no novo lar, uma das barragens da mineradora que explora o local se rompe, “lavando” a apresentação com lama.

 

“Só em Taperoá são 127 barragens que estão para estourar ainda esse ano, um risco altíssimo. Homenageamos as vítimas aqui hoje, mas tentando abrir a consciência das pessoas de que quando você procura a empresa, se dedica ao trabalho, mas quando morre há um descaso total. Por enquanto foi Mariana e Brumadinho, mas quantas mais serão?”, explica Wanderson da Costa, diretor criativo da quadrilha.

Yasmin Casa Dias, foi a noiva da quadrilha, ela conta que o grupo encomendou os figurinos do Paraná e todos os gastos, incluindo a viagem para Campo Grande, foram pagos com recursos próprios e mobilizações, rifas e arrecadação de dinheiro. Tudo para “além da dança e da cultura, também mostrar a desvalorização da vida, viemos por uma questão de protesto”.

As apresentações duraram dois dias com as quadrilhas finalistas retornando no sábado (15) para a grande final. Considerando o enredo, o casamento, o figurino e a coreogradia, a Rede Solidária ficou em 1º lugar, Explosão Aquícola em 2º lugar e Sai de baixo em 3º.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bebê morre duas semanas após testar positivo para a Covid-19
Rosa Weber determina que governo federal reative leitos de UTI para Covid-19 em três estados
Segunda-feira será quente, com pancadas de chuva
Ciúmes é motivo de briga entre vizinhas que acaba com uma ferida na Vila Aimoré
Operação acaba com rave no meio da pandemia em Campo Grande
Rapaz agride jardineiro com cutelo
Drogado surta, quebra móveis e ameaça bater na mulher
Motorista é perseguido por 7 motociclistas no centro de Campo Grande
Salário de servidores estaduais estará disponível para saque nesta terça-feira
Pai é preso suspeito de engravidar filha de 14 anos em Dourados