Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021
(67) 99820-0742
maticula

Azambuja pede explicação ao Governo Federal sobre redução de compra do gás boliviano

14 fevereiro 2017 - 14h33

O governador Reinaldo Azambuja disse que poderá recorrer ao presidente da República, Michel Temer, para que Mato Grosso do Sul não seja prejudicado pela decisão da Petrobras de reduzir drasticamente a compra do gás boliviano, cuja medida vem impactando as finanças do Estado e municípios. Azambuja esteve nesta segunda-feira em Corumbá para tratar desta questão com as autoridades bolivianas, mas a reunião foi adiada. “A Petrobras, inexplicavelmente, reduziu o bombeamento do gás da Bolívia nos últimos anos de 30 milhões de metros cúbicos para 11 milhões de metros cúbicos, talvez por uma estratégia de mercado, mas não podemos aceitar uma medida que traga prejuízos ao nosso Estado”, disse o governador, que já pediu uma audiência com o presidente da estatal, Pedro Parente, para cobrar uma explicação e formalizar o posicionamento do seu governo.

Cumprir obrigações

Reinaldo Azambuja adiantou que levará, no encontro com o presidente da Petrobras, representantes dos principais segmentos do Estado, como a Fiems, Famasul, Faems, Fecomércio e Assomasul, além dos senadores e deputados que compõem a bancada federal. Adiantou que deverá se reunir também com o presidente Michel Temer para expor os prejuízos que a decisão da Petrobras tem causado a Mato Grosso do Sul. “É um direito nosso, da sociedade sul-mato-grossense, mantermos a receita para que possamos cumprir as obrigações do governo e atender aos municípios”, ponderou. “A Petrobras não pode tirar essa receita do nosso Estado, num momento de crise e recessão, e queremos ouvi-la para tomada de uma posição, que não será do governo, mas da sociedade”, completou.

Compra direta

O governador enfatizou que o governo estadual quer saber qual a política da Petrobras em relação ao gás boliviano. E acrescentou, durante entrevista, que o governo também discute algumas alternativas para atenuar o impacto financeiro da redução da cota do gás boliviano contratada pela Petrobras até 2019. Reinaldo adiantou que se estuda uma compra direta do gás pela MSGás e empresas similares de outros estados, como tentativa de recuperar a receita. Ele disse que se permanecer a projeção da Petrobras de redução do bombeamento, a arrecadação do ICM do gás, que já foi de 18%  do total da receita até 2014, cairá para 4% em 2017. Hoje representa uma queda de receita no valor de R$ 700 milhões.    (MS Notícias - Com assessoria). 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mais uma: onça-parda morre atropelada na BR-463
Marido mata esposa a tiros e comete suicídio em seguida
Adolescente com deficiência que sofria maus-tratos é libertada em Coxim
Brasil registra 592 novas mortes por Covid-19 e total atinge 217.037
Motorista perde controle da direção, capota carro e cai em valeta na MS-134
Homem leva tiro na perna e autor é preso no telhado de casa no Buriti
Olha emprego aí: Funtrab oferta 2,6 mil vagas neste início de semana
Previsão aponta pancadas de chuvas isoladas nesta segunda-feira em MS
Homem é encontrado ferido com várias facadas pelo corpo em Dourados
Doses da vacina de Oxford começaram a ser distribuída pela madrugada em MS