Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99820-0742

Polícia Comunitária começa a atuar em Ladário junto à comunidade do Marquês de Tamandaré

31 março 2017 - 12h19Por Fonte:Assessoria de Comunicação PML

Visando melhorar a integração entre a polícia e a comunidade e salvaguardar os estudantes da  violência e do mundo das drogas, a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul, através do 6º Batalhão de Corumbá, começou hoje a desenvolver a Polícia Comunitária no município de Ladário, onde a Prefeitura se tornou parceira do projeto. A atividade teve início na Escola Municipal Marquês de Tamandaré, que fica no bairro Nova Aliança, região sul de Ladário.

O período da tarde foi reservado para uma palestra aos alunos onde os estudantes ouviram a explanação do sargento Freitas e também tiveram a oportunidade de ouvir o prefeito Carlos Ruso e a diretora da escola, Geórgia Letícia Guimarães de Arruda, que disse da necessidade da PM junto à comunidade escolar.

“Eles vêm com uma nova atitude, através da conversa, da educação, do conhecimento, a polícia perto da comunidade”, explicou ela que se disse estimulada com o projeto. “Eles vêm pra prevenir a violência, o uso de droga e todos os demais crimes que decorrem do uso de drogas, é muito importante porque aqui na nossa escola nós lidamos com uma comunidade muito carente então é uma forma de prevenir porque nós não queremos perder os nossos alunos para as drogas”, afirmou.  

“Nós estamos aqui para ser amigos de todos vocês, para ajudar a melhorar a escola. A gente sabe que uma nova lei está sendo implantada e que os pais estarão cada vez mais perto da escola, e isso é importante”, disse o prefeito Carlos Ruso. Ele lembrou o Procev, lançado recentemente pela Justiça e Ministério Público e que aumenta a responsabilidade dos pais sobre os atos dos estudantes.

Mas a informação mais assustadora, veio da PM. Durante sua palestra, o cabo Freitas deu um dado que poucos imaginam, os traficantes, segundo ele, “querem viciar os mais novos, querem transformar em dependentes aqueles de 7 anos, de 8, de 9. Os que tem de 14 pra cima, já passaram da idade, não interessam mais aos traficantes”, afirmou Freitas.

Este é um dos maiores motivos para aproximar a polícia da escola. “Nós não queremos que vocês tenham medo da polícia, nós somos amigos, trabalhamos para proteger a população”, disse o cabo que afirmou que a partir de agora, estará todos os dias junto com a comunidade escolar. Além dele outros policiais participarão do projeto que prevê outros tipos de atividades, inclusive com os cães farejadores adestrados da PM.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INSS vai aumentar capacidade de atendimento da Central 135
Indústria da construção mostra sinais de recuperação, diz CNI
Desemprego subiu 27,6% em quatro meses de pandemia
Sampaio Corrêa e Moto Club duelam no 1º jogo da final do Maranhense
Senadores da Comissão do Pantanal aprovam cronograma de trabalho
IBGE: em MS, 15% dos que realizaram testes para Covid-19 até agosto testaram positivo
Câmara instala comissão para reformar Lei da Lavagem de Dinheiro
Brasileirão: Thiago Neves pode estrear no Sport em duelo contra Timão
Chuva no Rio de Janeiro em um dia supera média do mês
Justiça marca júri de acusado de matar professora com 36 facadas