Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 99820-0742
Set

Austrália exige reforço de segurança à Rio 2016 após assalto

21 junho 2016 - 16h11

Após uma atleta paralímpica da Austrália ter sido assaltada no Rio de Janeiro, o Comitê Olímpico Australiano exigiu nesta terça-feira (21) que a cidade reforce imediatamente a segurança antes que algo mais grave aconteça.

"Exigimos que o número das forças de segurança seja revisto e que elas sejam destacadas antecipadamente, especialmente perto das instalações de treinos e competições", disse a chefe de missão da equipe olímpica australiana, Kitty Chiller.

Os pedidos foram enviados em uma carta para o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e para o comitê organizador da Rio 2016.

A velejadora paralímpica australiana Liesl Tesch e a fisioterapeuta Sarah Ross foram assaltadas no domingo no Aterro do Flamengo, uma zona turística do Rio e local de treinamento de vários atletas. As duas foram abordadas por dois homens armados, que levaram suas bicicletas.

Em entrevista a uma emissora de televisão australiana, Tesch disse que o assaltante apontou a arma em sua direção e a empurrou. A atleta chegou a cair no chão. "Foi absolutamente horrível. Nós estamos abaladas, mas fisicamente bem", relatou.

"Não foi um incidente isolado. Chegou o momento de tomar medidas para garantir a segurança a todos os membros de nossas equipes que forem ao Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos", ressaltou Chiller.

Além de Tesch, o velejador espanhol Fernando Echavarri foi assaltado na cidade por homens armados no mês passado e, no início de junho, a atleta de tiro brasileira Anna Paula Desborusses foi baleada na cabeça ao tentar fugir de um assalto.

Medidas extras

Após o incidente, o Comitê Olímpico Australiano decidiu ainda contratar empresas de segurança privadas e está cogitando ampliar a proibição imposta a atletas de visitar favelas para outras áreas da cidade e impor um toque de recolher.

Chiller disse que os atletas foram orientados sobre como agir em casos de assalto. Entre as recomendações, está entregar os pertences e não reagir.

"Se estamos levando 750 pessoas no nosso time, queremos que as 750 pessoas voltem a salvo e em segurança", reforçou Chiller.

Os organizadores dos Jogos Olímpico no Rio de Janeiro planejaram 85 mil policiais para patrulhar a cidade, o dobro do número usado em Londres no evento de 2012.

 

Fonte: Terra

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

Enem terá prova impressa e digital em 2020
Pressionada, prefeita mantém lojas fechadas por pelo menos mais uma semana
Demitidos fazem fila para sacar auxílio “bem vindo” na reabertura dos bancos
Cantor Mariano é diagnosticado com coronavírus
PM vai acompanhar cumprimento do toque de recolher em Corumbá
Com empresários, prefeito discute ações de prevenção ao COVID-19
Idosa morta em Dourados é a primeira vítima do coronavírus em MS
Mulher é brutalmente espancada pelo filho e irmão em Três Lagoas
Na Espanha, 849 morreram por coronavírus nas últimas 24 horas
Menina de 12 anos morre vítima de Coronavírus