Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020
(67) 99820-0742

Zoonozes desenvolve ação na Alta Floresta onde caso de leishmaniose foi registrado

09 fevereiro 2017 - 12h06

Os números oficiais só vão sair na terça feira que vem, mas o Núcleo de Controle em Zoonozes  já desenvolveu ações no bairro Alta Floresta, onde um menino de 8 meses foi diagnosticado com leishmaniose.  A situação no bairro é alarmante, já que o índice de cães infectados é muito alto, segundo Keyla Brito Silva, gerente em Vigilância de Saúde.

No local foram feitas várias visitas, e coletadas larvas dos mosquitos transmissores da Dengue, Chikungunya, Zika e Febre Amarela. “Já com relação à Leishmaniose, serão coletados os mosquitos. Para isso, nós estamos pedindo a parceria do município de Corumbá, que tem as equipes capacitadas para realizar a ação”, explicou Keyla.

O maior impacto foi com relação aos cães, a maioria dos animais testados estava com a doença e terão que ser sacrificados. “O pior é que tem gente que não quer entregar o cachorro. Tem o caso de uma menina que sumiu com o animal”, disse Keyla, alertando para o fato de que, um cão doente causa riscos de contaminação para dezenas de pessoas, principalmente crianças.

O mosquito Flebótmo, ou Palha, transmissor da Leishmaniose, não voa alto, ele praticamente saltita, e desta forma, as crianças se transformam no principal alvo. “O melhor caminho é limpar os terrenos, tem muito lixo, entulho e isso facilita a proliferação do mosquito que é o único agente de transmissão. O cão é apenas o hospedeiro da doença”, explicou Keyla.

Na semana que vem serão divulgados os números oficiais da região do Alta Floresta onde o caso foi registrado. A Secretaria de Saúde vai repassar os dados de quantas casas foram visitadas, quantos cachorros foram testados e quantos foram positivados para a doença.

Por enquanto o que o município precisa contar é com a ajuda da população que será a única forma eficaz de combater todas as doenças que ameaçam a saúde popular. Conter a proliferação dos mosquitos transmissores dessas doenças só será possível com ações simples e já conhecidas como não acumular lixo ou recipientes que possam ajudar na procriação. Folhas, frutas, eletrodomésticos velhos, e entulho precisam ser exterminados.    (Assessoria de Comunicação PML)

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGU cobra na Justiça R$ 893 milhões de desmatadores da Amazônia
Ocupação de UTIs tem risco baixo em 17 estados e crítico no Rio e GO
Focos de calor no Tocantins seguem padrão do clima, diz Defesa Civil
SP fecha último hospital de campanha para tratamento de covid-19
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
SP subsidia compra de computador para professor da rede estadual
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
São Paulo anuncia ampliação de testes da fase 3 da vacina CoronaVac
Lei prorroga incentivo fiscal para exportadores durante pandemia
Polícia do Rio desarticula grupo que aplicava golpe da casa própria