Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99820-0742
Set

Saiba quais doenças abalaram o país e podem 'cair' no Enem

09 novembro 2019 - 12h00Por Portal R7

O sarampo, que havia sido eliminado do país em 2016, voltou a ser registrado no ano passado. Roraima e Amazonas passaram por surto em 2018. Segundo o Ministério da Saúde, o vírus foi importado da Venezuela. Neste ano, 18 Estados já registram a transmissão da doença, sendo que 97% dos casos ocorrem em São Paulo. O vírus, desta vez, foi importado de Israel, Malta e Noruega. O país já registra este ano 10.429 casos confirmados da doença, sendo 8.235 casos confirmados por laboratório e 2.194 pelo critério clínico-epidemiológico, além de 14 mortes. Há ainda 19.537 casos em investigação. A informação é da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

O esquema vigente de vacinação contra o sarampo para crianças no país é o de uma dose da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) ao 1 ano de idade e uma da quadrupla viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) ao 1 ano e 3 meses de idade. Para quem não se vacinou no período, a tríplice viral é oferecida gratuitamente em duas doses até os 29 anos ou em uma dose dos 30 aos 49 anos. Os demais devem recorrer às clínicas privadas. Atualmente no país é oferecida também a chamada dose zero, aplicada entre 6 e 11 meses de idade. Essa dose só é utilizada em casos de surto, como ocorre no momento.

O Ministério da Saúde divulgou que bateu a meta vacinal contra o sarampo no país este ano. Isso significa que atingiu a cobertura de 95% da população. Segundo boletim de 29 de outubro, a meta foi alcançada em 65% dos municípios brasileiros. Isso equivale à cobertura em 14 Estados em crianças de seis meses a menores de 1 ano de idade, faixa etária mais suscetível às complicações da doença. Os Estados que atingiram a meta de vacinação são Alagoas, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Espírito Santo, Ceará, Paraná, Santa Catarina, Sergipe, Rio Grande do Sul, Tocantins, Goiás, São Paulo e Paraíba

O sarampo é altamente contagioso. Diferentemente da gripe, que é transmitida por gotículas de saliva, o sarampo se dissemina pelo chamado aerossol, que são partículas muito pequenas de saliva com alcance maior que as gotículas. Uma pessoa pode infectar até 18 no mesmo ambiente, além disso, a doença tem um longo período de incubação, podendo se manifestar até duas semanas depois de contraída. Três dias antes de os sintomas se manifestarem, a pessoa já está transmitindo a doença. Além de manchas vermelhas pelo corpo, que não coçam, o quadro infeccioso lembra uma gripe, com os chamados sintomas catarrais, que são coriza, tosse e espirro, além de febre acima de 38°C e conjuntivite.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, manifestou preocupação com a possibilidade do aumento do número de casos da dengue no país no verão de 2020. As mortes pela doença já aumentaram 5 vezes em relação ao ano passado. Neste ano, foram registradas 689 mortes e 1,4 milhões de casos, número 690% maior do que os 215 mil casos de 2018. A região com maior taxa de incidência da doença é a Centro-Oeste, com 1,2 mil casos para cada 100 mil habitantes. Os Estados com o maior número de casos são Minas Gerais (482.739), com 154 mortes, e São Paulo (442.014), com 247 mortes. As informações são do Ministério da Saúde. Vale ressaltar que o país passou por uma epidemia de dengue em 2015.

Os casos de chikungunya e de zika, que, assim como a dengue, são transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti, também aumentaram em relação ao ano passado. Segundo o boletim do Ministério da Saúde de 12 de outubro, foram registrados 123 mil casos de chikungunya contra 78 mil em 2018, e 75 mortes. Os Estados do Rio de Janeiro (83.079) e Rio Grande do Norte (12.206) concentram 77,2% dos casos prováveis. Já a zika apresenta 10 mil casos registrados e três mortes este ano.

Dengue, zika e chikungunya são doenças transmitidas pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti. Diferentemente dos mosquitos Haemagogus ou Sabethes, que habitam a mata e transmitem a febre amarela, o Aedes aegypti vive no meio urbano e se prolifera em locais com água parada. Exames de sangue já são capazes de fornecer diagnósticos precisos para cada uma dessas doenças. Mas existem vacinas apenas contra a febre amarela e contra a dengue, sendo que o imunizante contra a dengue existente tem restrições. Um outro, com alcance mais amplo, está previsto para final de 2020.

No ano passado, o país enfrentou uma epidemia de febre amarela. A vacina contra a doença é recomendada em todo o território nacional desde agosto de 2018 e está disponível pelo SUS (Sistema Único de Saúde) o ano inteiro. O imunizante é feito de vírus atenuado, por essa razão não é indicado para gestantes, imunodeprimidos e idosos. Os sintomas são calafrio, dor de cabeça, dores musculares, mal estar e cansaço. Cerca de 15% que contraem a doença desenvolvem complicações, entre elas hepatite e alteração do funcionamento dos rins e do coração, que podem levar à morte.

A cobertura das oito vacinas obrigatórias até o primeiro ano de vida, que são BCG, tríplice viral, meningocócica C, pneumocócica, poliomielite, pentavalente, rotavírus e hepatite A, está abaixo da meta preconizada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), segundo o Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Apenas a BCG, que previne a tuberculose e é aplicada na maternidade, atingiu a meta de 95%. As demais apresentaram cobertura entre 80% e 91,5%.

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Com vizinho assaltado 3 vezes em 24h, bairro "se vira" contra ladrões
Projeto Nossa Energia beneficia famílias de Corumbá e Ladário durante Festival América do Sul Pantanal
Unigran oferece desconto de até 50% na matrícula para 2020
Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS
Pelé comemora 50 anos de seu histórico milésimo gol na carreira
Refis da Prefeitura já arrecadou mais de R$ 1 milhão este ano
Plantio da soja atrasa em mais de 30% e preocupa lideranças rurais
Dono do Shopping China está entre os procurados em nova fase da Lava Jato
Desemprego cai, mas MS ainda tem 108 mil em busca de trabalho
Motociclista morre após colidir com caminhão e polícia investiga