Menu
Busca sexta, 10 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Prefeitura não explica sumiço de mais de 3 mil doses da vacinas contra gripe A

01 junho 2016 - 04h00

Depois de uma semana a prefeitura ainda não sabe onde foram parar 3.166 doses de vacina contra a gripe que sumiram da rede municipal de saúde. O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) não dá explicações sobre o caso. A Secretaria de Saúde do município, a Sesau, também não sabe o que aconteceu e antes de abrir sindicância, já prevista, precisa quantificar as doses já aplicadas. No Diário Oficial (Diogrande) de ontem, a Sesau designou três servidores para fazerem parte da comissão que vai investigar o sumiço. Conforme a publicação, será verificado “se houve falha por parte de servidor lotado nesta Secretaria”.

Informações obtidas pelo Correio do Estado indicam que vacinas foram desviadas por funcionários para imunizar familiares e conhecidos fora grupo de risco ou que seriam próximas ao prefeito. A Sesau e a prefeitura, no entanto, negam a suspeita de falta de fiscalização interna. O principal motivo alegado pela administração municipal é de que as vacinas enviadas ao governo do Estado pelo Ministério da Saúde teriam chegado com doses insuficientes para a imunização.

(*) A reportagem, de Bárbara Cavalcanti, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença
Avó de esposa de Bolsonaro continua internada com coronavírus
MPMS vai investigar denúncias de irregularidades em ‘curso de bombeiro mirim’ em Campo Grande
Proibida de participar de licitação, empresa ganha pregão de R$ 60 milhões com a Sefaz-MS
Presidente da Bolívia testa positivo para covid-19
Duas jovens paulistas são presas em MS com malas recheadas de maconha
OMS manda especialista para investigar origem da Covid-19 na China
Frio começa a ir embora no fim de semana em Mato Grosso do Sul
Exame particular da covid-19 pode custar entre R$ 160 e R$ 300 na Capital