Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99820-0742

Dia Mundial da Saúde: governo intensifica combate ao Aedes aegypti

07 abril 2017 - 13h55Por Fonte:Agência Brasil

No Dia Mundial da Saúde, celebrado hoje (7), o governo federal mobiliza os profissionais da saúde no combate ao mosquito Aedes aegypti. As ações acontecem nas 41.688 Unidades Básicas de Saúde do país, com vistoria para identificar criadouros e orientações à população no combate ao mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya.

A medida faz parte da campanha Sexta-Feira Sem Mosquito, organizada pelo Ministério da Saúde, em parceria com os conselhos nacionais de Secretários de Saúde e de Secretários Municipais de Saúde. A meta é que a população reserve um dia na semana para combater os focos do mosquito, vistoriando casas, ambientes de trabalho e escolas.

Segundo o ministério, medidas simples podem evitar a proliferação do mosquito, como fazer o descarte correto do lixo, tampar depósitos de água e limpar com buchas as laterais e bordas dos vasos de plantas.

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a mobilização é questão de hábito. “Se cada cidadão fizer a sua parte, evitando água parada e descoberta em locais que possam servir de criadouros, juntos estaremos realizando um grande mutirão semanal de limpeza em todo o país”, afirmou Barros, em nota.

Queda no número de casos

Segundo o ministério, as ações de combate resultaram na queda do número de casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Em 2017, até 25 de março, foram notificados 90.281 casos prováveis de dengue em todo o país, uma redução de 90% em relação ao mesmo período de 2016 (947.130). Também houve queda no número de óbitos. A redução foi de 97%, passando de 411 em 2016 para 11 em 2017.

Em relação à chikungunya, a queda do número de casos foi de 73%. Até 11 de março, houve 26.856 casos da doença. No ano passado, foram 101.633 casos, no mesmo período.

Até 25 de março deste ano, o Ministério da Saúde registrou 4.894 casos de Zika em todo o país, uma redução de 97% em relação a 2016 (142.664 casos). A análise da taxa de casos prováveis mostra uma baixa incidência em todas as regiões geográficas até o momento. Em relação às gestantes, foram anotados 727 casos prováveis. Não houve registro de óbitos por Zika em 2017.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Araújo diz que declarações de Pompeo foram alvo de má tradução
Salles inspeciona áreas em Mato Grosso atingidas pelo fogo
Operação Covid-19 mobilizou quase 30 mil militares em seis meses
MP e Volkswagen firmam acordo para reparar violações no regime militar
CIEE lança programa para capacitar estudantes do ensino médio
Senador conquista R$ 38 milhões da União para MS
Áreas de biomas brasileiros caíram 8,34% entre 2000 e 2018
Ministra diz que "culpar homem do Pantanal" por incêndios é injustiça
Advogado preso tentando entrar com droga no presídio assina termo e volta para casa
Rapaz é morto ao tentar defender mãe de assalto em lanchonete