Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Sem amparo legal, atitude de deputada em hospital confirma “carteirada”

06 junho 2016 - 22h44

A deputada estadual Grazielle Machado (PR) não poderia ter estacionado seu carro na vaga destinada a ambulância na Santa Casa de Campo Grande, utilizando-se, para isso, do argumento de que é parlamentar. Isto porque não há qualquer previsão, tanto da própria instituição de saúde quanto no regimento interno da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, que permita ao deputado parar o carro em vagas reservadas.

No domingo (5), Grazielle e o marido levaram o filho de um ano para atendimento no pronto socorro da Santa Casa e estacionaram o veículo na vaga onde a ambulância deixa pacientes que estão em estado grave. Segundo o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi (PMDB), não existe previsão no regimento interno da casa de leis que autoriza deputado a estacionar em determinados locais. Mas, ponderou, há instituições que permitem parar os veículos em locais disponibilizados para autoridades, o que não é o caso.

A própria deputada contou que estacionou o carro na vaga e, quando o funcionário do hospital pediu que o veículo fosse retirado, ela disse, “em voz baixa”, que o carro era oficial, em virtude de seu mandato legislativo. O casal não atendeu à solicitação, somente retirou o automóvel quando o marido da deputada foi até a delegacia registrar boletim de ocorrência contra os funcionários, que, segundo ele, teriam lhe agredido. Os trabalhadores, no entanto, afirmam que eles é que sofreram agressões e também procuraram a polícia.

Por sua vez, a Santa Casa afirmou que a vaga é destinada exclusivamente para veículos do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e Corpo de Bombeiros com pacientes em estado gravíssimo, que vão diretamente para ala vermelha da instituição. Em resposta, a assessoria de comunicação disse que em hipótese alguma outro carro, independente de ser oficial ou não, pode parar no espaço.

Confusão – A deputada postou na tarde de ontem um vídeo, em sua rede social, anunciando que iria mostrar o atendimento e denunciando que o marido, o publicitário Herlon Zaparoli, havia sido agredido por funcionários do hospital. O problema, que começou no estacionamento, continuou quando o marido tentou entrar com a esposa, o filho e a babá, na sala de triagem, no entanto, como o limite de acompanhantes havia excedido, ele foi impedido de entrar. 

Herlon disse que tentou entrar para entregar a certidão de nascimento do filho quando os funcionários o empurraram e deram uma ‘gravata’ nele.

De acordo a instituição, o filho do casal sofreu efeito colateral por um medicamento, tomou antídoto, soro e, em seguida, teve alta.

Via: Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bebê é achado morto em quarto de hotel; pais estão detidos
Em Dourados, médicos têm salários reduzidos durante a pandemia
PF faz novas buscas na casa de jornalista bolsonarista preso em Campo Grande
Portador de Alzheimer, Luiz desapareceu na Piratininga e filho pede ajuda para encontrá-lo
Infectada pela covid, mãe morre no parto e bebê sobrevive em Dourados
PMs flagram homem carregando cabeça decepada em SP
Corpo achado no Rio Paraguai segue sem identidade nem procura de familiares
Brasil tem mais 1.290 falecimentos por causa da covid-19
Com 16 mortes em 24h, MS vai a 107 óbitos por coronavírus e 9.388 doentes
Saúde compra 20 mil exames para diagnóstico de coronavírus pelo valor de R$ 377 mil