Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Por 6 votos a 5, STF muda de posição e proíbe prisão após 2ª instância

08 novembro 2019 - 10h00Por G1
Por 6 votos a 5, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira, dia 07 de novembro, derrubar a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, alterando um entendimento adotado desde 2016.
 
O voto de desempate foi dado pelo presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli, o último a se manifestar. Toffoli defendeu que somente as decisões do júri devem ser imediatamente executadas, pois tratam de crimes dolosos contra a vida.
 
Na quinta sessão de julgamento sobre o assunto, a maioria dos ministros entendeu que, segundo a Constituição, ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado (fase em que não cabe mais recurso) e que a execução provisória da pena fere o princípio da presunção de inocência.
 
Com a decisão, ninguém poderá ser preso para começar a cumprir pena até o julgamento de todos os recursos possíveis em processos criminais, incluindo, quando cabível, tribunais superiores (Superior Tribunal de Justiça, STJ, e STF). Antes disso, somente se a prisão for preventiva.
 
A decisão tem efeito “erga omnes”, ou seja, vale para todas as instâncias do Judiciário e será vinculante, de cumprimento obrigatório.
 
Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cerca de 5 mil presos podem ser beneficiados pela mudança de entendimento, se não estiverem presos preventivamente por outro motivo. Levantamento do Ministério Público Federal a decisão do STF pode beneficiar 38 condenados na Operação Lava Jato.
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode obter liberdade, já que ainda cabem recursos da condenação dele no caso do triplex em Guarujá (SP). Essa decisão caberá à Justiça Federal do Paraná. Nos casos do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, entretanto, a mudança de entendimento do STF não os tira da cadeia.
 
No julgamento, os ministros apreciaram três ações declaratórias de constitucionalidade, apresentadas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelos partidos PCdoB e Patriota.
 
Desde 2016, a Corte autorizou a prisão após segunda instância quatro vezes, mas a análise de mérito das ações permanecia em aberto.
 
Por isso, juízes e até ministros do STF vinham decidindo de forma divergente sobre essas prisões. Agora, será obrigatório seguir o entendimento do Supremo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

“É desesperador, estou pagando as parcelas ainda”, diz trabalhador ao ver carro pegando fogo
Santa Casa de Corumbá recebe recursos do Ministério da Saúde para ações de controle ao Covid-19
Muambeiro é preso com mercadoria do Paraguai em hotel
Por gasolina a R$ 2,50 o litro, douradenses enfrentam frio e fila que começou às 3h
Espanha reabrirá fronteiras terrestres com Portugal e França neste mês
José de Abreu é desligado da Globo após 40 anos
Preso de 43 anos é suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann em 2007
Caixa libera hoje saque da 2ª parcela dos R$ 600 para nascidos em maio
Falha no sistema teria atrasado pagamento para quem teve salário reduzido durante pandemia
Contrabandista é preso em hotel com celulares Xiaomi e vídeo games