Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99820-0742
Set

Lista do TCE tem 119 políticos que tiveram contas reprovadas em MS

05 julho 2016 - 17h53

O TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado) divulgou nesta terça-feira (dia 5) a relação com 119 pessoas que tiveram contas rejeitadas, entre prefeito, ex-prefeitos e ex-secretários.

Conforme o comunicado, não cabe ao Tribunal de Contas a tarefa de de “declarar a inelegibilidade dos gestores que figuram na relação”. Segundo a publicação, essa competência é da Justiça Eleitoral. Caso seja mantida a inelegibilidade, a pessoa não pode ser candidata nas Eleições 2016.

A lista tem nomes como Abel Nunes Proença (ex-prefeito de Porto Murtinho); Aparecida Sirlei Casachi Bernardes de Melo (ex-vereadora e ex-secretária em Aparecida do Taboado); Carlos Roberto Assis Bernardes, o Carlinhos Cantor (ex-vereador de Dourados); Daltro Fiuza (ex-prefeito de Sidrolândia); Djalma Lucas Furquim (ex-prefeito de Aparecida do Taboado); Elizabethe de Paula Pereira Almeida (ex-prefeita de Miranda).

Além de Fauze Suleiman (ex-prefeito de Aquidauana); Jácomo Dagostin (prefeito de Guia Lopes da Laguna); José Antonio Assad e Faria (prefeito de Ladário); Nelson Cintra Ribeiro (ex-prefeito de Porto Murtinho e atual diretor da Fundação de Turismo).

O TCE divulgou dois anexos. O primeiro traz a lista de quem teve as contas julgadas irregulares em definitivo pelo TCE. O segundo, com 21 nomes, são de gestores com parecer prévio contrário à aprovação, que ainda vai passar por crivo das Câmaras Municipais.

Nesta situação, estão, por exemplo, a ex-prefeita de Eldorado, Mara Elisa Navachi Caseiro (atual deputada estadual), Neder Afonso da Costa Vedovato (ex-preito de Miranda) e Vera Regina Dalcin Baur (ex-prefeita de Glória de Dourados).

Efeitos – Ex-juiz eleitoral, o advogado André Borges afirma que se algum nome que estiver na lista do TCE pedir registro de candidatura, o Ministério Público ou um cidadão pode impugnar a solicitação.

“Quem estiver com o nome na lista pode entrar na Justiça e pedir liminar para suspender a inscrição e ser candidato. Mas é muito difícil porque esses órgãos tomam o máximo cuidado para registrar o nome de alguém, faz análise jurídica para não causar prejuízo indevido”, salienta. 

Fonte: Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Com vizinho assaltado 3 vezes em 24h, bairro "se vira" contra ladrões
Projeto Nossa Energia beneficia famílias de Corumbá e Ladário durante Festival América do Sul Pantanal
Unigran oferece desconto de até 50% na matrícula para 2020
Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS
Pelé comemora 50 anos de seu histórico milésimo gol na carreira
Refis da Prefeitura já arrecadou mais de R$ 1 milhão este ano
Plantio da soja atrasa em mais de 30% e preocupa lideranças rurais
Dono do Shopping China está entre os procurados em nova fase da Lava Jato
Desemprego cai, mas MS ainda tem 108 mil em busca de trabalho
Motociclista morre após colidir com caminhão e polícia investiga