Menu
Busca sexta, 23 de outubro de 2020
(67) 99820-0742

Acordo com governo federal garante mais de R$ 600 milhões para MS até dezembro

21 junho 2016 - 14h48

Depois de meses de negociação, governadores e vices de 21 Estados acertaram nesta segunda-feira (20) com o Governo Federal a renegociação das dívidas com a União. Em uma reunião demorada com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e posteriormente com o presidente Michel Temer, os chefes dos executivos acordaram uma moratória de seis meses na parcela da dívida e o pagamento escalonado da dívida a partir de janeiro do ano que vem. A decisão teve participação do governador Reinaldo Azambuja.

Para o governador de Mato Grosso do Sul, o acordo contempla os 27 estados da Federação dando fôlego e condições para manter as contas em dia. “Mato Grosso do Sul paga R$ 108 milhões por mês, então nós teríamos quase R$ 660 milhões até o fim do ano. Isso praticamente possibilita você terminar o ano de 2016 sem déficit, equilibrando receitas e despesas”, afirmou.

O pagamento escalonado foi elaborado a partir de uma tabela que começa em janeiro de 2017 com o pagamento de 5,5% do valor da dívida, percentual que vai subindo nessa mesma proporção de modo que os estados atingirão novamente o pagamento da parcela cheia devida para a União em julho de 2018. Além do escalonamento, o cálculo da parcela também será reajustado a considerando a prorrogação do prazo de cumprimento da dívida por mais 20 anos, além de 2028.

O pagamento das três parcelas em atraso, com a suspensão a partir do mandado de segurança deferido pelo STF em abril, será diluído em 24 meses a serem pagas a partir de julho, valor que em janeiro se soma ao pagamento escalonado.

Esse ajuste entre estados e União foi precedido por uma reunião pela manhã, entre governadores e secretários estaduais de Fazenda, na residência oficial do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, da qual participou, além do governador, o titular da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Márcio Monteiro. Entre as demandas acordadas nessa reunião preliminar e atendidas pelo Governo Federal está a inclusão de cinco linhas de crédito do BNDES na renegociação, as quais serão alongadas por mais 10 anos.

Mato Grosso do Sul renegocia uma dívida com a União que em valores atuais é de aproximadamente R$ 6,3 bilhões. O pagamento consome 15% da receita líquida do Estado e representa um repasse anual para a União de mais de R$ 1,2 bilhão. Com o montante seria possível construir mais de 20 mil casas populares ou 6 novos hospitais com capacidade individual de 200 leitos, entre outros investimentos.

Entre as contrapartidas exigidas pelo governo federal na renegociação estão o ajuste nas contas públicas dos estados. Em Mato Grosso do Sul, o ajuste foi uma das primeiras providências da equipe de governo de Reinaldo Azambuja, que realizou cortes de cargos comissionados, revisão de contratos e redução das secretarias, que hoje somam 13 pastas.

 

Fonte: Notícias MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Do PSL, Ovando diz que não será cobaia da vacina; já Fabio e Vander alertam para proteção da vida
Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
Filhos ficam 3 dias com pais mortos em casa
Capital sem favelas, desafogar o SUS e mobilidade urbana foram temas do programa dos candidatos
Sete cadáveres são achados em contêiner vindo da Sérvia para o Paraguai
Mãe de três, diarista só quer um emprego para alimentar os filhos
Campo Grande cai para ‘bandeira laranja’ no risco da covid-19
Criador do bordão 'bigodin finin, cabelin na régua' morre afogado no RJ
'Machão' quebra móveis e espanca ex mesmo com criança no colo
Mulher termina namoro e ex ameaça expor fotos íntimas nas redes sociais