Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(67) 99820-0742

A 13 dias da eleição, Duarte tem 12 pontos à frente do 2º colocado

19 setembro 2016 - 12h42

Candidato à reeleição em Corumbá, o prefeito Paulo Duarte (PDT) tem 43,23% das intenções de voto e, a 13 dias das eleições, lidera a corrida eleitoral.

De acordo com levantamento do IPR (Instituto de Pesquisa Resultado), o candidato está 12 pontos percentuais à frente de Ruiter Cunha (PSDB), que aparece na segunda colocação, com 30,58%. Já Elano Holanda de Almeida (PPS) tem 10,29%.

Os eleitores indecisos somam 10,88%. Enquanto 5% votam branco ou nulo. A pesquisa também questionou o eleitor em quem não votaria de jeito nenhum. Ruiter teve a maior rejeição: 32,35%. Na sequência, aparecem Elano (28,82%) e Duarte (21,76%).

A pesquisa ouviu 340 pessoas entre 15 e 16 de setembro. A margem de erro é de 5,2%. O levantamento tem margem de confiança de 95% e foi registrado na Justiça Eleitoral com o número MS-08802/2016.

Corumbá tem 70.547 eleitores, sendo o quarto maior colégio eleitoral do Estado. As eleições municipais serão realizadas no dia 2 de outubro.

Acensão –

A nova rodada de pesquisa do IPR mostra o crescimento de Paulo Duarte. No levantamento divulgado em 19 de agosto, o candidato aparecia com 32,94%. Considerando a margem de erro, que era de de 5,2%, ele estava em empate técnico com Ruiter, que tinha 31,17% das intenções de voto.

 

Fonte: Campo Grande News 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Eleições 2020: termina hoje prazo para pedir registro de candidatura
Pandemia amplia vulnerabilidades de surdos, diz secretária
Prefeitura encaminha imigrantes e pessoas em situação de rua ao mercado de trabalho
França abre investigação para apurar ataque com faca em Paris
Universidade oferece tratamento gratuito a pacientes com sequelas da covid-19
Reme ainda não tem prazo para retorno das aulas presenciais
Jovem de 22 anos perde controle de moto e morre na Salgado Filho
Bandidos não perdoam nem cavalos em Corumbá
Caminhoneiro de Dourados capota e morre na serra de Maracaju
AGU cobra na Justiça R$ 893 milhões de desmatadores da Amazônia