Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
(67) 99820-0742
Set

Amor de redes sociais: casal que espancou filho adotivo esbanjava afeto no Facebook

10 dezembro 2019 - 15h30Por Top Mídia News

O casal acusado de torturar e espancar o filho adotivo, de 8 anos, em Londrina, demonstrava amor incondicional pela criança, adotada em outubro deste ano.

Inclusive, quando fez um mês da adoção, a mãe adotiva postou a seguinte mensagem: “Hoje faz um mês que você está com a gente, um mês de amor inocente, amor sem medidas, um mês da melhor risada do mundo, do abraço mais puro....”

O menino, de Mato Grosso do Sul, segue internado em estado grave e chegou ao Hospital Evangélico com vários hematomas.

Nesta segunda-feira (9), Israel e Sarah Zanoni, de 29 e 23 anos, respectivamente, prestaram depoimento e alegaram que o menino foi espancado, pois “estava de birra“.

Eles tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva após audiência de custódia, segundo o jornal 24 Horas.

O advogado de defesa, Mário César de Carvalho Pinto, disse que vai revogar a prisão, já que os dois são réus primários, têm emprego e residência fixa. “Entendemos que houve um exagero, mas discordamos da tentativa de homicídio que a Polícia Civil alega”.

A prisão do casal tem validade de 90 dias, mas pode ser prorrogada.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia Militar de Corumbá prende homem com mandado de prisão em aberto no bairro Aeroporto
Planos de saúde vão cobrir exames para detecção do novo coronavírus
Homem baleado na cabeça na Mato Grosso morre na Santa Casa
Homem envia fotos nuas da ex-mulher em aplicativo e acaba preso em Anaurilândia
Cloroquina 'some' das farmácias e preço vai às alturas; pacientes com lúpus são prejudicados
Comerciante é executado a tiros enquanto aguardava em semáforo na fronteira
Com mais de mil casos em 24h, MS tem 34,5 mil infectados e 570 mortes por coronavírus
Concurso público com salários de até R$ 3,1 mil prorroga prazo de inscrições
Paranaíba: donos de veículos apreendidos pela polícia têm prazo de 30 dias para evitar leilão
Campo Grande é 5ª cidade mais infiel na pandemia, diz aplicativo