Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
(67) 99820-0742
Set

Governo autoriza importação de feijão para reduzir o preço

22 junho 2016 - 16h21

O Palácio do Planalto anunciou hoje (22) que o governo vai liberar a importação de feijão de alguns países, com o objetivo de reduzir o preço do produto nos supermercados. A medida valerá para o feijão com origem na Argentina, no Paraguai e na Bolívia.

De acordo com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, está em estudo a possibilidade de importar o produto também do México e da China, segundo informações divulgadas pelo Portal do Planalto.

De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão, o aumento se deve à seca em grande parte dos estados que produzem o grão. Com isso, houve queda na oferta e, com o aumento da demanda, os preços acabaram subindo. O preço do feijão-carioca chegou a R$ 10 em supermercados de vários estados brasileiros.

Maggi disse ainda que pretende propor às grandes redes de supermercado que busquem comprar o produto nas regiões onde a oferta é maior. “Pessoalmente tenho me envolvido nas negociações com os cerealistas, com os grandes supermercados, para que eles possam fugir do tradicional que se faz no Brasil, e ir diretamente à fonte onde tem esse produto e trazer. E, à medida que o produto vai chegando ao Brasil, nós temos certeza de que o preço cederá na medida em que o mercado for abastecido”, disse o ministro por meio do portal.

 

Fonte: Agência Brasil 

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Após 4 anos, Esacheu Nascimento deixa o comando da Santa Casa de Campo Grande
Servidor morre de dengue hemorrágica em Itaquiraí
Primeiro-ministro Boris Johnson está infectado com o coronavírus
PM de folga prende homem armado com foice após tentativa de assassinato
Acusado de matar namorada com tiro na cabeça é preso
Especialista de MS cobra auxílio para autônomos o mais rápido possível
Após decreto, lotéricas reabrem e controlam entrada de pessoas em Campo Grande
Em 3 dias, 131 moradores de rua já foram levados para pontos de acolhimento
Após discurso de Bolsonaro, violações ao toque de recolher subiram 400% em Campo Grande
Lacen descarta mais um caso suspeito de COVID-19 em Corumbá