Menu
Busca quarta, 11 de dezembro de 2019
(67) 99820-0742
Set

Agricultores de Ladário orientam bolivianos a produzir alimentos agroecológicos

02 julho 2016 - 15h03

Um dia de campo realizado nesta quinta-feira (30) no assentamento 72, em Ladário (MS), motivou a troca de experiências entre agricultores familiares sul-mato-grossenses e bolivianos. Os visitantes vieram de Puerto Soarez e Yacuces e passaram o dia nos lotes 38 e 39, visitando hortas em transição agroecológica. O interesse deles é produzir verduras, legumes e frutas sem o uso de agrotóxicos e de forma padronizada.

A demanda havia sido formalizada em abril, quando representantes de três instituições bolivianas estiveram na Embrapa Pantanal em busca de parcerias para desenvolver a agroecologia no Departamento de Santa Cruz de la Sierra. Eles representavam a Secretaria de Desenvolvimento Produtivo do Governo de Santa Cruz, a FTE (Fundacion Trabajo Empresa) e a Sedacruz (Serviço Departamental Agropecuário de Sanidade e Inocuidade Agroalimentar de Santa Cruz).

Além da equipe interna da Embrapa Pantanal, participou da primeira reunião o diretor do campus local da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Edgar Aparecido da Costa, representando o mestrado em Estudos Fronteiriços. Edgar também desenvolve projetos de estímulo à agroecologia nos assentamentos e é parceiro do pesquisador Alberto Feiden, da Embrapa.

NO CAMPO

Na manhã desta quinta, cerca de 35 agricultores familiares acompanharam as atividades no lote dos assentados Raimundo Nogueira Lima e Adalgisa de Oliveira Lima. O pesquisador Alberto recepcionou os visitantes por volta de 9h. Professor Edgar Costa esteve com eles no horário do almoço. Também participaram o engenheiro agrônomo Leandro Henrique Jung, do escritório municipal da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), e o técnico em agropecuária Márcio da Silva, da Fundação de Meio Ambiente de Ladário.

O dia de campo utilizou a metodologia Intercâmbio de Experiências e começou com uma dinâmica em que todos os participantes fizeram uma roda, deram as mãos, se apresentaram e, ao final, afirmaram: "Eu aprendo, eu ensino". Essa metodologia consiste em um encontro presencial entre grupos de agricultores para que eles descrevam os problemas que enfrentam e as soluções que encontram em seu dia-a-dia. A metodologia é uma adaptação do método "Campesino a campesino" [De agricultor para agricultor], desenvolvida na América Central.

Na horta do casal, os agricultores do assentamento e da Bolívia puderam ver de perto a produção de variedades de alface, cebolinha, coentro, agrião, couve, mandioca e outros produtos. Alberto teve a oportunidade de mostrar o plantio direto, que utiliza palha sobre o solo, funcionando como uma cobertura protetora.

Os bolivianos tinham dúvidas sobre o controle de pragas e doenças sem o uso de produtos químicos. Os assentados explicaram que utilizam inimigos naturais para esse controle, como o plantio de flores, que atraem alguns insetos e deixam de atacar as hortaliças. "No começo não é fácil. Mas nós estamos conseguindo e hoje somos reconhecidos por nossos produtos", comentou o agricultor Ramão da Silva Pires, um dos integrantes do grupo Bem-Estar, formado pelos assentados que decidiram apostar na agroecologia.

Alberto Feiden orientou os bolivianos a introduzir o sistema agroecológico de forma gradual. Disse também que não adianta produzir esses alimentos apenas em busca de um lucro maior – até porque a filosofia agroecológica defende a prática do preço justo.

"A melhor forma de fracassar é entrar para o sistema orgânico esperando o sobrepreço. Quem entra no processo de transição deve estar preparado para vender o produto a preços do mercado convencional, ganhando na redução de custos e não no sobrepreço. O mercado convencional está pronto e é facilmente acessível. Já o mercado orgânico precisa ser construído e muitas vezes o custo do acesso a este mercado é maior que o sobrepreço", comentou.

No período da tarde, os agricultores visitaram o lote de Osírio Bento da Silva e Maria Aparecida Leite da Silva, onde o destaque foi a produção de tomate. O técnico Márcio falou sobre os métodos utilizados para manejo e prevenção de doenças no tomateiro. Também puderam observar como a família usa a integração de diversas espécies para produzir biodiversidade e reduzir as populações de organismos não desejados.

Alberto e Edgar disseram que o próximo passo é promover uma oficina na Bolívia, com esse mesmo grupo que esteve aqui, para orientar sobre a produção de caldas naturais que são usadas no controle de pragas.

São parceiros dos projetos a Embrapa Pantanal, a UFMS (através do mestrado em Estudos Fronteiriços), a Prefeitura de Ladário e a Agraer. O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) apoia a iniciativa.

 

Fonte: Redação  

 

 

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Nova fase da Lava Jato investiga repasses do grupo Oi para empresa de filho de Lula
Veneza sofre com baixa em reservas de hotéis após inundação
Saiba como o cigarro eletrônico afeta os pulmões
Preço da carne vai recuar em 2020, mas será maior do que o registrado até setembro, dizem frigoríficos
Tiroteio em mercado nos EUA deixa mortos, entre eles um policial
Ativista Greta Thunberg muda descrição no Twitter para 'pirralha' após declaração de Bolsonaro
Bolsonaro assina MP com regras para regularização fundiária
Sexta turma do STJ manda soltar ex-governador Luiz Fernando Pezão
De doer o coração: ambientalista flagra seis tatus atropelados
Amor de redes sociais: casal que espancou filho adotivo esbanjava afeto no Facebook