Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Fronteira continua fechada e reunião definirá entrega de carta de renúncia a Morales

07 novembro 2019 - 17h45Por Da Redação

A fronteira entre a Bolívia e Corumbá, distante a 444 quilômetros de Campo Grande segue fechada nesta quinta-feira (7) e entra no seu 16° dia de protestos contra o governo Evo Morales, eleito na última eleição que aconteceu no mês de outubro. Cidades bolivianas como Arroyo Concepción, Puerto Quijarro e Puerto Suárez são as principais entradas fechadas.

A alegação dos manifestantes é que a eleição foi fraudada e por esse motivo, seguem pedindo a recontagem dos votos e um possível segundo turno. O presidente ingressou o seu quarto mandato na história.

A fronteira, de acordo com o Diário Corumbaense, entulhos, caminhões e carros bloqueiam a travessia de veículos nas pontes. A passagem está sendo liberada para pessoas a pé e a entrada de emergências, como ambulâncias.

O bloqueio na estrada Bioceânica impede a saída e chegada de ônibus de viagem nas cidades fronteiriças com Corumbá. Os terminais rodoviários de Puerto Quijarro e Puerto Suárez, onde o fluxo de passageiros é sempre intenso, estão fechados.

Carta de renúncia

Nesta quinta-feira, o presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho explicou que durante a tarde, haverá uma reunião com os organizadores sociais e o Conade para determinar a data e a hora que farão a entrega da carta com a renúncia do presidente Evo Morales. A medida já é de conhecimento do governo boliviano.

O Ministério do Governo ao saber da possibilidade de entrega da carta, indiciou que a caixa de correspondências da Casa Grande del Pueblo estaria habilitada para que o comitê deixasse o documento ao presidente do país, entretanto, Camacho entendeu que não deveria ser desta maneira.

“A carta não será entregada a nenhuma correspondência, a mesma será entregada publicamente, com os veículos de comunicação e as portas abertas ao senhor Morales para que as pessoas possam expressar seus sentimentos e fazer a entrega pública da carta e da Bíblia. A carta não será entregue ao prédio que se concentrou uma festa onde o luxo, o ódio, o ressentimento, o racismo e o desprezo estão concentrados no povo boliviano, mas serão entregues no histórico Palácio Queimado”, disse Camacho durante entrevista coletiva.

De acordo com o diário boliviano El Deber, o presidente do comitê chegou na cidade de La Paz na quarta-feira (6) com a intenção de obter a renúncia do presidente Evo Morales.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Para de ser tão ciumenta: mulher surta e esfaqueia marido em residência
Cantora gospel morre de Covid-19 e deixa marido infectado
“É desesperador, estou pagando as parcelas ainda”, diz trabalhador ao ver carro pegando fogo
Santa Casa de Corumbá recebe recursos do Ministério da Saúde para ações de controle ao Covid-19
Muambeiro é preso com mercadoria do Paraguai em hotel
Por gasolina a R$ 2,50 o litro, douradenses enfrentam frio e fila que começou às 3h
Espanha reabrirá fronteiras terrestres com Portugal e França neste mês
José de Abreu é desligado da Globo após 40 anos
Preso de 43 anos é suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann em 2007
Caixa libera hoje saque da 2ª parcela dos R$ 600 para nascidos em maio