Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Colombianos vão às ruas para protestar contra pacote econômico

21 novembro 2019 - 18h00Por G1

Estudantes e trabalhadores colombianos fazem protestos nesta quinta-feira (21) contra a política econômica e social do presidente Iván Duque, da Colômbia.

A greve começou nas universidades públicas de Bogotá, Medellín e Cali.

Em Medellín, uma multidão lotou as ruas em direção ao Parque de las Luces, onde se concentrarão.

Em Cali e em Barranquilla, o sistema de transporte público foi interrompido porque os manifestantes colocaram obstáculos nas ruas.

Foram registrados incidentes em um bairro no noroeste de Bogotá entre o esquadrão policial anti-motim e manifestantes.

Os protestos são os maiores que Duque já enfrentou. O governo fechou fronteiras e reforçou a vigilância aérea e militar.

Os atos foram motivados pela expectativa de que o governo altere algumas regras econômicas –aumente a idade mínima de aposentadoria, permita que se contrate jovens abaixo do salário mínimo e elimine um fundo de pensão estatal.

 

ONU em estado de atenção

 

A ONU expressou sua preocupação pelo aumento de militares nas cidades da Colômbia antes da marcha.

"O escritório recebeu informes sobre um aumento da presença de membros do exército nas ruas de algumas cidades da Colômbia nos dias anteriores à manifestação", indicou na quarta-feira (20) o escritório local de direitos humanos do organismo internacional em um comunicado.

O escritório das Nações Unidas também apontou "com preocupação" a expedição de "vários decretos, circulares e instruções" que permitem às autoridades locais declarar toques de recolher e contar com apoio militar em caso de problemas.

A organização chamou a atenção também para mensagens "de procedência não identificada" que "estigmatizam o protestos social" e outras que "chamam ao uso da violência" nas mobilizações.

Desde o fim de semana foram observados dezenas de militares nas ruas do centro de Bogotá, por onde costumam transitar os manifestantes, que através das redes sociais denunciam uma "militarização" para intimidar o protesto social.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença
Avó de esposa de Bolsonaro continua internada com coronavírus
MPMS vai investigar denúncias de irregularidades em ‘curso de bombeiro mirim’ em Campo Grande
Proibida de participar de licitação, empresa ganha pregão de R$ 60 milhões com a Sefaz-MS
Presidente da Bolívia testa positivo para covid-19
Duas jovens paulistas são presas em MS com malas recheadas de maconha
OMS manda especialista para investigar origem da Covid-19 na China
Frio começa a ir embora no fim de semana em Mato Grosso do Sul
Exame particular da covid-19 pode custar entre R$ 160 e R$ 300 na Capital