Menu
Busca sexta, 10 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Brasileiros com viagem marcada para Santa Cruz de La Sierra devem ter cautela; protesto de transportistas “isola” cidade

18 julho 2016 - 15h55

Quem está com viagem marcada para a cidade de Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, destino de muitos estrangeiros e brasileiros, que vivem na região de fronteira, deverá tomar algumas cautelas. Tudo isso, porque desde às 00h00 desta segunda-feira, 18 de julho, as estradas que dão acesso a cidade “cruceña”, como também é conhecida, estão bloqueadas pelo setor dos Transporte Pesado.

Os afiliados da Câmara Boliviana de Transporte e da Confederação de Transporte Pesado, haviam alertado sobre o bloqueio desde a semana passada. A medida ocorre por conta de que a categoria pede a liberdade de oito dirigentes, que fazem parte da categoria, que se encontram presos na cidade de Sucre.

Porém, de acordo com o vice-presidente Álvaro García, um diálogo com o setor já está em andamento para liberar as estradas do país vizinho, onde em contato com a categoria do transporte pesado, informou que a polícia do país tem a instrução de desbloquear as estadas, para novamente retornar a normalidade de entrada e saída, tanto de veículos, como pedestres.

“Entramos em contato com os dirigentes, para que eles possam levantar o protesto, que com toda certeza prejudica toda a Bolívia. A parte judicial tem quem ser feita com advogados, medidas tomadas pela justiça, não são resolvidas com bloqueios”, disse em entrevista ao El Deber o vice-presidente Álvaro García.

Ainda conforme ele, o Ministro de Economia Luis Arce, encontra-se em seu gabinete a espera do setor de transporte pesado para começar as negociações. Mas que o tema tributário já foi revisto e que o pedido para liberar os oito detidos em Sucre, deve ser revisto pela justiça e não pelo governo boliviano.

Já Juan Yujra, presidente da coordenadora de Transporte Pesado, explico que esta mobilização não é apenas pela liberação dos oito detidos, mas também é por conta de problemas no âmbito tributário, como por exemplo o pedido de reposição de 30% pelo descargo de faturas de combustíveis e pela prescrição do pagamento de dividas seja por apenas quatro anos.

“Em Aduana, cada vez mais os nossos caminhões são apreendidos e temos que pagar entre 20 a 50 mil bolivianos para que eles sejam liberados, isso é um absurdo”, explicou Juan. “Isso é um atentado contra a liberdade de trabalho”, completou.  

Santa Cruz isolada

O protesto atinge as principais rotas nacionais da Bolívia, em oito departamentos do país, onde menos a cidade de Beni, não sofre com a manifestação.

Segundo Juan Yujra, presidente da coordenadora de Transporte Pesado, as vias bloqueadas em Santa Cruz são as que ligam a cidade com Yapacaní, Montero, Warnes, km 17 de via dupla a La Guardia e na localidade de Pedro Lorenzo, bem como Pailón, que fica na rota dos ônibus que saem da cidade de Puerto Quijarro, onde muitos brasileiros embarcam rumo a capital cruceña.

Além disso, as vias em Cochabamba, La Paz, Oruro, Tarija, Potosí e Chuquisaca também estão bloqueadas nas zonas estratégicas, onde ninguém entra e ninguém sai. (com informações El Deber)

 

Fonte: Leonardo Cabral (colaboração) 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença
Avó de esposa de Bolsonaro continua internada com coronavírus
MPMS vai investigar denúncias de irregularidades em ‘curso de bombeiro mirim’ em Campo Grande
Proibida de participar de licitação, empresa ganha pregão de R$ 60 milhões com a Sefaz-MS
Presidente da Bolívia testa positivo para covid-19
Duas jovens paulistas são presas em MS com malas recheadas de maconha
OMS manda especialista para investigar origem da Covid-19 na China
Frio começa a ir embora no fim de semana em Mato Grosso do Sul
Exame particular da covid-19 pode custar entre R$ 160 e R$ 300 na Capital