Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99820-0742
Set

Brasileiros com viagem marcada para Santa Cruz de La Sierra devem ter cautela; protesto de transportistas “isola” cidade

18 julho 2016 - 15h55

Quem está com viagem marcada para a cidade de Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, destino de muitos estrangeiros e brasileiros, que vivem na região de fronteira, deverá tomar algumas cautelas. Tudo isso, porque desde às 00h00 desta segunda-feira, 18 de julho, as estradas que dão acesso a cidade “cruceña”, como também é conhecida, estão bloqueadas pelo setor dos Transporte Pesado.

Os afiliados da Câmara Boliviana de Transporte e da Confederação de Transporte Pesado, haviam alertado sobre o bloqueio desde a semana passada. A medida ocorre por conta de que a categoria pede a liberdade de oito dirigentes, que fazem parte da categoria, que se encontram presos na cidade de Sucre.

Porém, de acordo com o vice-presidente Álvaro García, um diálogo com o setor já está em andamento para liberar as estradas do país vizinho, onde em contato com a categoria do transporte pesado, informou que a polícia do país tem a instrução de desbloquear as estadas, para novamente retornar a normalidade de entrada e saída, tanto de veículos, como pedestres.

“Entramos em contato com os dirigentes, para que eles possam levantar o protesto, que com toda certeza prejudica toda a Bolívia. A parte judicial tem quem ser feita com advogados, medidas tomadas pela justiça, não são resolvidas com bloqueios”, disse em entrevista ao El Deber o vice-presidente Álvaro García.

Ainda conforme ele, o Ministro de Economia Luis Arce, encontra-se em seu gabinete a espera do setor de transporte pesado para começar as negociações. Mas que o tema tributário já foi revisto e que o pedido para liberar os oito detidos em Sucre, deve ser revisto pela justiça e não pelo governo boliviano.

Já Juan Yujra, presidente da coordenadora de Transporte Pesado, explico que esta mobilização não é apenas pela liberação dos oito detidos, mas também é por conta de problemas no âmbito tributário, como por exemplo o pedido de reposição de 30% pelo descargo de faturas de combustíveis e pela prescrição do pagamento de dividas seja por apenas quatro anos.

“Em Aduana, cada vez mais os nossos caminhões são apreendidos e temos que pagar entre 20 a 50 mil bolivianos para que eles sejam liberados, isso é um absurdo”, explicou Juan. “Isso é um atentado contra a liberdade de trabalho”, completou.  

Santa Cruz isolada

O protesto atinge as principais rotas nacionais da Bolívia, em oito departamentos do país, onde menos a cidade de Beni, não sofre com a manifestação.

Segundo Juan Yujra, presidente da coordenadora de Transporte Pesado, as vias bloqueadas em Santa Cruz são as que ligam a cidade com Yapacaní, Montero, Warnes, km 17 de via dupla a La Guardia e na localidade de Pedro Lorenzo, bem como Pailón, que fica na rota dos ônibus que saem da cidade de Puerto Quijarro, onde muitos brasileiros embarcam rumo a capital cruceña.

Além disso, as vias em Cochabamba, La Paz, Oruro, Tarija, Potosí e Chuquisaca também estão bloqueadas nas zonas estratégicas, onde ninguém entra e ninguém sai. (com informações El Deber)

 

Fonte: Leonardo Cabral (colaboração) 

 

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Com vizinho assaltado 3 vezes em 24h, bairro "se vira" contra ladrões
Projeto Nossa Energia beneficia famílias de Corumbá e Ladário durante Festival América do Sul Pantanal
Unigran oferece desconto de até 50% na matrícula para 2020
Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS
Pelé comemora 50 anos de seu histórico milésimo gol na carreira
Refis da Prefeitura já arrecadou mais de R$ 1 milhão este ano
Plantio da soja atrasa em mais de 30% e preocupa lideranças rurais
Dono do Shopping China está entre os procurados em nova fase da Lava Jato
Desemprego cai, mas MS ainda tem 108 mil em busca de trabalho
Motociclista morre após colidir com caminhão e polícia investiga