Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99820-0742
Set

Governo enviará ao Congresso reforma trabalhista até o fim do ano, diz ministro

20 julho 2016 - 16h15

O ministro do Trabalho e Previdência Social, Ronaldo Nogueira, disse hoje (20) que o governo do presidente interino Michel Temer vai encaminhar ao Congresso Nacional até o fim deste ano uma proposta de reforma trabalhista e outra para regulamentar a terceirização.

Durante café da manhã com jornalistas, ele lembrou que a legislação trabalhista brasileira data dos anos 40 e que, de lá para cá, novas atividades econômicas foram incorporadas à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). “Ela virou uma colcha de retalhos que permite interpretações subjetivas”, opinou.

Segundo o ministro, a proposta de reforma trabalhista a ser elaborada pelo governo vai valorizar a negociação coletiva e tratar de assuntos como salário e jornada, mas não vai permitir, por exemplo, o parcelamento de férias ou do décimo terceiro salário.

“A CLT será atualizada com o objetivo de simplificar, para que a interpretação seja a mesma para o trabalhador, o empregador e o juiz”, disse. “Direitos não serão revogados”, completou.

Terceirização

Sobre regulamentar a terceirização, Nogueira adiantou que pontos da proposta aprovada na Câmara dos Deputados poderão ser aproveitados, mas não entrou em detalhes. Segundo ele, será criado um grupo de trabalho para definir o que são e quais serviços especializados poderão ser terceirizados.

“Vamos trazer o trabalhador, o empregador e especialistas da área para aprimorar as propostas da terceirização em busca de um consenso”, destacou. “Essa discussão de atividade-fim e atividade-meio é irrelevante neste momento”.

Proteção ao emprego

O Ministério do Trabalho informou ainda que pretende tornar permanente o Programa de Proteção ao Emprego (PPE) por meio do envio de projeto de lei ao Congresso Nacional.

A ferramenta foi criada para proteger empregos em momentos de redução temporária da atividade econômica e prevê, por exemplo, a redução de até 30% na jornada e no salário por meio de acordo coletivo. O prazo de validade inicialmente previsto para o programa é o fim de 2017.

“É uma política de socorro para garantir emprego”, disse o ministro. “O Brasil está retomando a empregabilidade e a confiança no mercado. As empresas não vão precisar do PPE, mas será um programa que estará à disposição para todos os setores que estiverem em crise”, concluiu.

 

Fonte: Agência Brasil 

Deixe seu Comentário

Set 2
TECNODENTAL

Leia Também

Com vizinho assaltado 3 vezes em 24h, bairro "se vira" contra ladrões
Projeto Nossa Energia beneficia famílias de Corumbá e Ladário durante Festival América do Sul Pantanal
Unigran oferece desconto de até 50% na matrícula para 2020
Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS
Pelé comemora 50 anos de seu histórico milésimo gol na carreira
Refis da Prefeitura já arrecadou mais de R$ 1 milhão este ano
Plantio da soja atrasa em mais de 30% e preocupa lideranças rurais
Dono do Shopping China está entre os procurados em nova fase da Lava Jato
Desemprego cai, mas MS ainda tem 108 mil em busca de trabalho
Motociclista morre após colidir com caminhão e polícia investiga