Menu
Busca segunda, 01 de junho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Universidades de MS recuperam R$ 52 milhões com desbloqueio do MEC

18 outubro 2019 - 17h15Por Campo Grande News

O MEC (Ministério da Educação) anunciou nesta sexta-feira (18) o descongelamento de R$ 1,1 bilhão do orçamento de universidades e institutos federais, parte que faltava do total contingenciado pela pasta em maio deste ano. Assim, as instituições de Mato Grosso do Sul têm R$ 52 milhões de volta.

 

O ministério já havia liberado R$ 1,156 bilhão no fim de setembro, além de outras parcelas menores de recursos até o desbloqueio total.

A pasta alega que congelou os repasses para cumprir a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). “Com a melhora da economia, no entanto, possibilitou-se uma liberação gradual do dinheiro”, explicou o MEC, em nota.

UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) havia perdido R$ 29,7 milhões com a medida. Do montante, R$ 28,7 milhões são voltados ao custeio (luz, água, telefone e limpeza, por exemplo) e R$ 996 mil carimbados para investimentos. O orçamento total previsto para este ano foi de R$ 902,3 milhões.

A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) tinha R$ 12,4 milhões contingenciados pelo MEC, dos R$ 258,3 milhões estimados para 2019.

Já o IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) aguardava o descongelamento de R$ 9,9 milhões. A LOA (Lei Orçamentária Anual) da entidade projetou R$ 199,7 milhões para o ano corrente.

O contingenciamento anunciado em maio pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, obrigou universidades e institutos federais a tomar providências para redução de gastos.

Recentemente, a UFMS trocou o serviço de telefonia, com redução de 36% nos custos com o serviço e projeção de economizar R$ 1,4 milhão em quatro anos.

A UFGD estimou cortes em 44% dos gastos nas unidades acadêmicas. Foram reduzidas despesas com materiais gráficos, diárias e passagens, transporte, aquisição de itens de consumo e permanente.

Por sua vez, o IFMS implementou reuniões por videoconferência, o que reduziu custos com diárias e passagens de servidores, e renegociou contratos com diminuição de até 30% dos valores.

Future-se - Em entrevista coletiva nesta sexta, Weintraub adiantou que o orçamento para 2020 é o mesmo deste ano. Segundo ele, as universidades e institutos federais poderão conseguir receitas adicionais por meio do Future-se, programa que o MEC lançou em julho que amplia a entrada de investimentos privados nas instituições públicas.

UFMS realizou audiência pública para debater sobre a iniciativa. Parte dos estudantes, professores e técnicos da universidade desaprovam o Future-se e já promoveram série de manifestações contrárias ao programa.

A adesão da UFMS ao Future-se será deliberada em Conselho Universitário, marcado para o dia 31 de outubro.

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

EUA tem mais uma noite de protestos violentos com toque de recolher
Equipe do Corpo de Bombeiros resgata homem de 46 anos em área rural
Caminhoneiro de 61 anos é a 7ª vítima fatal do coronavírus em Campo Grande
Justiça suspende prazo para guardas municipais apresentarem laudo exigido para portar armas
Risco para o coronavírus: hipertensão, obesidade e diabetes cresce no Brasil
Motorista de aplicativo passa o dia parado no mesmo local e é achado morto
Corpo achado debaixo de ponte é de indígena desaparecido em Dourados
Mulher de policial que matou homem negro nos EUA pede divórcio
Mulher morre após ter carro lançado contra árvore na Gury Marques
Nota de esclarecimento - Falecimento boliviano