Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99820-0742

Prévia da inflação oficial sobe, mas é a mais baixa para janeiro desde 1994

20 janeiro 2017 - 11h06

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor 15 (IPCA-15), uma prévia do IPCA – a inflação oficial –, começa o ano com elevação de preços, ao fechar janeiro em 0,31%, alta de 0,12 ponto percentual acima da taxa de 0,19% de dezembro do ano passado. É a taxa mais baixa para meses de janeiro desde 1994, quando foi criado o Plano Real.

Mesmo com a alta entre dezembro e janeiro, o IPCA-15 fechou o primeiro mês do ano com a taxa acumulada nos últimos 12 meses de 0,64 ponto percentual, abaixo do acumulado no mesmo período imediatamente anterior, que foi de 6,58%.

Os dados relativos ao IPCA-15 foram divulgados hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de janeiro de 2016 havia registrado alta de 0,92%.

Alimentação e Bebidas

O grupo Alimentação e Bebidas foi o principal responsável pela alta de 0,31% no primeiro mês do ano. O índice subiu 0,46 ponto percentual em relação à alta de dezembro (de -0,18% para 0,28%).

A alta de preços desse grupo em dezembro ocorreu depois de quatro meses consecutivos de deflação (inflação negativa): -0,01% em setembro; -0,25%, em outubro; menos 0,06%, em novembro; e -0,18%, em dezembro.

O IBGE ressalta, porém, o fato de que, isoladamente, a gasolina foi o item com o maior impacto sobre o IPCA-15 de janeiro, ao contribuir com 0,1 ponto percentual para a alta de 0,31%. O preço do litro do combustível subiu, em média, 2,43%, refletindo nas bombas o reajuste de 8,1% autorizado pela Petrobras nas refinarias, desde 6 de dezembro.

Regiões Metropolitanas

Em quatro das principais regiões metropolitanas do país a alta do IPCA-15 foi superior, em janeiro, à média nacional de 0,31%. São Paulo registrou a mesma taxa de variação. Salvador teve o maior aumento do país, com inflação de 0,63%, pressionada principalmente pelos preços dos alimentos, que subiram 1,05%. Em Brasília, a alta foi de 0,57%, em Fortaleza, de 0,53%, e em Belo Horizonte, de 0,4%.

Entre as seis regiões metropolitanas que fecharam janeiro com IPCA-15 menor do que a média nacional de 0,31%, a menor taxa foi registrada em Porto Alegre (0,03%), influenciada por dois itens: energia elétrica (-5,3%) e alimentação fora de casa (-1,08%). No Rio de Janeiro, a taxa variou 0,3%, em Curitiba, 0,27%, e em Porto Alegre, 0,03%, a segunda menor do país.

O IPCA-15 tem praticamente a mesma metodologia de pesquisa do IPCA (a inflação oficial), só que os preços são coletados na segunda metade do mês anterior e na primeira do mês de referência.

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, de Porto Alegre, Belo Horizonte, do Recife, de São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. (Agência Brasil)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulher é esfaqueada pelo marido e morre
Marquinhos Trad tem quase 40% à frente do 2º colocado, aponta pesquisa
Marroquino tenta matar esposa com faca durante encontro com amigo no Carandá Bosque
Homem surta durante abordagem e tenta 'socar' policiais em conveniência
'Fujão' abandona quatro capivaras mortas no Aero Rancho
Motorista perde controle de carro em curva, capota e morre em rodovia
Idoso estava saudável e morte precoce surpreendeu família
PM prende homem que estava atirando para comemorar aniversário no Vespasiano Martins
Vacina da Oxford tem fortes respostas imunes em voluntários idosos
Em protesto, família de PM morto pede expulsão de advogado da OAB-MS