Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Obras serão realizadas na cobertura da Igreja Nossa Senhora da Candelária

16 junho 2016 - 15h15

A Prefeitura de Corumbá vai executar obras de contenção na estrutura do telhado e do forro da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária. O anúncio foi feito na tarde de ontem, quarta-feira, pelo prefeito Paulo Duarte, durante um encontro com o bispo diocesano de Corumbá, Dom Segismundo Martinez Álvarez, e com integrantes da comunidade católica.

Na oportunidade o prefeito firmou um termo de cooperação com a Diocese e entregou cópias de todos os projetos arquitetônico e complementares do prédio, cuja obra foi contemplada pelo PAC das Cidades Históricas.

“A restauração do prédio da igreja foi aprovada e está no PAC das Cidades Históricas. No entanto, até o momento, não recebemos autorização para execução dessa obra, bem como de outros prédios que foram contemplados”, explicou Duarte.

Dom Martinez informou que uma comissão foi formada para buscar outras alternativas (recursos), visando execução da obra. “Diante disso, firmamos um compromisso com a Diocese de Corumbá, cedendo todos os projetos e, ao mesmo tempo, autorizamos uma equipe nossa para fazer os levantamentos necessários na estrutura do telhado e do forro da igreja. A Prefeitura, com recursos próprios, vai executar as obras de contenção necessárias no local”, anunciou.

O termo de cooperação firmado com a Diocese de Corumbá já vinha sendo tratado pelo prefeito Paulo Duarte e pela diretora-presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, Maria Clara Scardini, já há vários dias.

A cedência de cópias dos documentos se deve ao fato de que a Diocese, junto com a comunidade, está estudando formas de arrecadar recursos para execução das obras necessárias no prédio. “Enquanto isto não acontece, o prefeito já nos orientou a fazer um levantamento da estrutura e realizar os serviços necessários para que a igreja seja reaberta”, disse Maria, citando que os serviços serão realizados de forma emergencial, para que a igreja possa ser reaberta ao público.

Termo de cooperação

O termo de cooperação foi firmado entre as duas partes após o Iphan ter autorizado a busca de outras alternativas de se viabilizar a execução da obra, enquanto se espera a liberação de verba federal. A Diocese está disposta a arrecadar, por esforço próprio, fundos para executar parte ou integralmente a obra e o assunto está sendo tratado por uma comissão da própria igreja.

Os projetos cedidos pela Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico à Diocese de Corumbá são os seguintes: projeto arquitetônico, incluindo restauração dos monumentos, planilha quantitativa-orçamentária com cotações, memória de cálculo e composições; bem como projetos complementares (projeto de estrutura metálica, estrutura e fundações; projeto de segurança contra incêndio e pânico; projeto de instalações elétricas e luminotécnicas; projeto de instalação de água fria e esgoto).

Maria Clara lembra que para a execução da obra, a Diocese deverá contratar empresas cuja qualificação técnica para os serviços previstos seja comprovada pela Fuphan, por meio de comprovação de Responsabilidade Técnica (CRT) na modalidade executada, sendo obrigatória a nomeação pela Diocese de arquiteto e de responsável técnico pela execução da mesma. 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa- PMC

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bebê é achado morto em quarto de hotel; pais estão detidos
Em Dourados, médicos têm salários reduzidos durante a pandemia
PF faz novas buscas na casa de jornalista bolsonarista preso em Campo Grande
Portador de Alzheimer, Luiz desapareceu na Piratininga e filho pede ajuda para encontrá-lo
Infectada pela covid, mãe morre no parto e bebê sobrevive em Dourados
PMs flagram homem carregando cabeça decepada em SP
Corpo achado no Rio Paraguai segue sem identidade nem procura de familiares
Brasil tem mais 1.290 falecimentos por causa da covid-19
Com 16 mortes em 24h, MS vai a 107 óbitos por coronavírus e 9.388 doentes
Saúde compra 20 mil exames para diagnóstico de coronavírus pelo valor de R$ 377 mil