Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 99820-0742
Set

Decreto de emergência engloba 9 cidades e durará 180 dias

12 setembro 2019 - 14h40Por Correio do Estado

O governador Reinaldo Azamuja (PSDB) publicou na edição desta quinta-feira (12) do Diário Oficial do Estado o decreto que impõe situação de emergência em Mato Grosso do Sul por conta das queimadas que assolam a àrea sul-mato-grossense do Pantanal. Ao todo, nove cidades foram englobadas no texto: Aquidauana, Anastácio, Dois Irmãos do Buriti, Corumbá, Ladário, Bonito, Miranda, Porto Murtinho e Bodoquena.

Ainda de acordo com o texto, a situação de emergência vigorará pelo período de 180 dias e autoriza a mobilização de todos os órgãos da estrutura administrativa do Governo do Estado, sob a coordenação da Cedec/MS (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil) nas ações de resposta ao desastre, reabilitação e reconstrução do cenário afetado pelas queimadas.

O decreto também autoriza a convocação de voluntários para reforçar estas ações e para a realização de campanhas de arrecadação de recursos perante a comunidade, com o objetivo de facilitar o atendimento à população afetada.

Segundo o Governo do Estado, a medida visa garantir recursos e apoio do Governo federal para garantir uma resposta urgente ao controle dos incêndios florestais em áreas legalmente e ilegalmente preservadas, com base nos indicadores estatísticos do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Uma estimativa do órgão aponta a queima de 1 milhão de hectares entre os meses de agosto e setembro, a maioria no Pantanal e Serra da Bodoquena.

O decreto também considera o mês de setembro como o mais crítico para a ocorrência de incêndios florestais, devido a prolongada estiagem, a baixa umidade do ar e alertas de ondas de calor para o Estado com alto risco à população, e o aumento expressivo de atendimentos nas unidades básicas de saúde, por causa das doenças relacionadas à qualidade do ar, havendo registro de incidência pacientes com problemas respiratórios.

AJUDA

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, o pedido de aeronaves e equipamento do Exército Brasileiro foi feito hoje às 7h ao Ministério da Integração Regional . "Fizemos o pedido de apoio de aeronaves para incêndios em proporções maiores, e que também a gente tenha o apoio do Exercito, não é usar o soldado para combater, mas principalmente o equipamento que eles tem, há uma disponibilidade de helicóptero, e pra isso precisamos decretar estado de emergência e pedir autorização do Governo Federal. A ideia é que a gente aumente o numero de pessoas atuando ao combate de incêndio e alertando a população que precisamos diminuir o número de focos, é uma questão fundamental, para que no curto espaço de tempo a gente domine o fogo e não tanto impacto na saúde, meio-ambiente, fauna, flora e na economia", disse.

Desde janeiro até agosto, foram registrados 5.126 ocorrências de incêndio no Estado, sendo delas, 2.913 só na Capital, e para intensificar o combate aos focos de incêndio, o Corpo de Bombeiros modificou a escala do efetivo e mais de 50 militares estão distribuidos em equipes especializadas para conter os focos de incêndio.

Ao todo, são 200 profissionais que atuam em ocorrências do cotidiano e desde julho deste ano, conforme o Chefe do Estado Maior Geral, coronel Edison Zanlucas, o efetivo está trabalhando dobrado nas ocorrências. "O reforço já está ocorrendo desde julho, nós já fizemos uma escala de guarnições de combate ao incêndio florestal específica, a gente se antecipou em relação a esse reforço, é uma escala extra que nós executamos para todos os militares que normalmente estariam na folga", disse. 

Para o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Maurício Sato, os impactos na agricultura do estado estão voltados mais as ondas de calor. "O impacto imediato que nós temos está menos vinculado ao fogo e mais vinculado a falta de chuva, nós temos automaticamente com essa baixa umidade do ar, uma demora maior  para a implantação da nossa safra de soja que a partir do dia 15 de setembro já estaria permitida, essa falta de umidade leva essa condição que nós teriamos de aproveitar melhor o período de plantio e automaticamente leva a condição da nossa safrinha de 2020 fora do nosso período de plantação", explicou. 

De acordo com a especialista em meteorologia do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de MS (Cemtec) Franciane Rodrigues, nos próximos dias há expectativa de chuva é abaixo da média esperada nas regiões sudoeste e sul do estado. Para outubro a previsão é do mesmo cenário com pouca chuvas. A esperança só está em novembro quando deverá chover de forma regular. "A massa de ar seco segue atuando em todo o Estado isso faz com que as condições meteorológicas não sejam favoráveis ao longo de setembro e também expectativa muito baixa em outubro. As chuvas em setembro devem ficar abaixo da média e também outubro expectativa abaixo da média, então todo esse período é bastante crítico e requer bastante atenção em relação a essa massa de ar seco que deve continuar por pelo menos setembro e outubro", explicou. 

Autoridades ambientais do Estado durante reunião emergecial em que ficou definido o decreto (Valdenir Rezende/Correio do Estado)

FORA DO CONTROLE

Relatório da Sala de Situação Integrada, divulgado nesta terça-feira (10) pela Coordenadoria de Defesa Civil de Mato Grosso do Sul (Cedec/MS), aponta que mais de 1 milhão de hectares de vegetação foi destruída pelas queimadas no Estado, no período de 1º de agosto a nove de setembro deste ano. Os focos de calor continuam intensos, devido a prolongada estiagem, com maior concentração no Pantanal e na Serra da Bodoquena.

Sem previsão de chuvas para os próximos 15 dias, a Cedec/MS lançou um alerta de onda de calor para todo o Estado e avalia a recomendação de situação de emergência em algumas regiões, cuja medida, decretada pelo município, poderá garantir ajuda financeira do governo federal para combate aos incêndios florestais. O coordenador da Cedec, tenente-coronel Fábio Catarinelli, informou que uma situação de emergência pode ter o apoio de aeronaves.

O volume de área acumulada queimada pelo fogo nos últimos 40 dias foi divulgado pelo Ibama (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que coordenada o Programa PrevFogo, por meio de um gráfico de estimativa, totalizando 1.027.041,20 hectares. No período, foram registrados 3.304 focos, sendo a maioria no Pantanal, entre os municípios de Corumbá e Porto Murtinho. Nas últimas 48 horas, foram 397 focos nesta região.

“A Sala de Situação continua monitorando todo o Estado, atualizando dados e atuando em alerta permanente com os demais órgãos envolvidos e os municípios, com emprego e remanejando de equipes do Corpo de Bombeiros em apoio ao PrevFogo”, informou Catarinelli.

FOGO EM ALDEIAS INDÍGENAS

A Sala de Situação Integrada, da qual participam vários órgãos de segurança e ambientais, dentre os quais a Semagro (secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) volta a se reunir na próxima sexta-feira (13). O último boletim divulgado reforça o alerta de onda de calor, com previsão de temperatura 5% acima da média para esta semana na maioria dos municípios.

 

As ações de combate das brigadas do PrevFogo, com o apoio do Corpo de Bombeiros, se concentram nas aldeias São João e Alves de Barros, na Reserva Indígena Kadiwéu (Serra da Bodoquena), com 30 homens, e no Porto Morrinho, Passo do Lontra, margens da BR-262 e Estrada-Parque (Corumbá), também com 30 brigadistas. Com o apoio de uma equipe de Brasília, as brigadas indígenas de Aquidauana atuam em incêndios nas aldeias Limão Verde, Ipegue eTaunay.

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

Condomínios de luxo deixam de ser “fortalezas” e viram alvos de ladrões
Após ladrão levar fios, pacientes voltam para casa sem exames e consultas
A Pesada e o Bloco Vitória Régia são os grandes campeões do Carnaval de Corumbá 2020
Corumbá esta tomando medidas referente ao Novo Corona Vírus Natalia Leal Capille Serra 26 de fevereiro de 2020
Mulher flagra marido na cama com amante e ele acaba preso com faca
Suspeito de roubo morre durante perseguição policial na fronteira
Ministério da Saúde quer antecipar vacinação contra gripe
Na maior rodoviária de MS, confirmação de coronavírus em SP não muda volta do Carnaval
Cirurgião plástico que sumiu após festa no Damha reaparece e está bem
Bolsonaro é fortemente criticado após divulgar vídeo com chamado para manifestação