Menu
Busca segunda, 01 de junho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Vítimas de violência doméstica aprovam botão do pânico: 'Me sinto protegida', diz atriz agredida

13 fevereiro 2020 - 18h00Por G1

Nove mulheres vítimas de violência doméstica no Rio de Janeiro ganharam a tecnologia como aliada contra novos ataques. Elas são as primeiras a receber o "botão do pânico", aparelho semelhante a um pager, que alerta caso os agressores se aproximem além do permitido pelas medidas protetivas definidas pela Justiça.

O botão do pânico começou a ser distribuído no segundo semestre de 2019 em uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ). A ferramenta é conectada a uma tornozeleira eletrônica, usada pelo agressor. Em caso de aproximação, a central de monitoramento é acionada e entra em contato com a vítima e o agressor por telefone.

“Esse aparelho, esse pager, faz parte do meu corpo. Hoje, eu me sinto protegida porque toda a minha vida está mapeada. Quem está preso é o agressor, não é a vítima”, contou ao G1 a atriz Cristiane Machado, a primeira mulher do estado a receber a ferramenta de botão do pânico.

A atriz foi vítima de violência doméstica. O ex-marido, o ex-diplomata Sérgio Schiller Thompson-Flores, está em prisão domiciliar, com autorização para sair de casa durante o dia. Com medo de novas agressões, Cristiane recorreu à Justiça, que concedeu o aparelho como uma das medidas protetivas.

 

De acordo com dados mais recentes do Instituto de Segurança Pública (ISP) do RJ, mais de 21 mil mulheres foram vítimas de agressões físicas no primeiro semestre de 2019 no estado – quase 4 mulheres por dia. As informações foram obtidas pelo G1 por meio da Lei de Acesso a Informação (LAI).

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

EUA tem mais uma noite de protestos violentos com toque de recolher
Equipe do Corpo de Bombeiros resgata homem de 46 anos em área rural
Caminhoneiro de 61 anos é a 7ª vítima fatal do coronavírus em Campo Grande
Justiça suspende prazo para guardas municipais apresentarem laudo exigido para portar armas
Risco para o coronavírus: hipertensão, obesidade e diabetes cresce no Brasil
Motorista de aplicativo passa o dia parado no mesmo local e é achado morto
Corpo achado debaixo de ponte é de indígena desaparecido em Dourados
Mulher de policial que matou homem negro nos EUA pede divórcio
Mulher morre após ter carro lançado contra árvore na Gury Marques
Nota de esclarecimento - Falecimento boliviano