Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Vítimas de Paraisópolis morreram em 2 vielas paralelas durante dispersão de baile funk pela PM, dizem moradores

04 dezembro 2019 - 15h00Por G1

Os nove mortos e 12 feridos durante dispersão de um baile funk feita pela Polícia Militar (PM), na madrugada do último domingo (1º), em Paraisópolis, Zona Sul de São Paulo, estavam em duas vielas, segundo moradores ouvidos pelo G1. Segundo eles, os frequentadores do Baile da 17 foram encurralados e agredidos pelos policiais militares na Viela Três Corações e na Viela do Louro.

A suspeita inicial da Polícia Civil é que as vítimas foram pisoteadas durante a confusão. Atestados de óbito entregues a algumas das famílias dos mortos informam que eles foram asfixiados e tiveram fraturas na coluna. Mas somente os resultados de laudos periciais irão apontar oficialmente as causas das mortes.

Procurada pela reportagem para confirmar a informação dos moradores ou informar onde os corpos foram encontrados, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não soube responder qual foi o local onde os mortos estavam. Por meio de nota, a pasta informou apenas que o Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, e a Corregedoria da PM investigam o caso.

 

Duas vielas

 

De acordo com moradores de Paraisópolis, vídeos gravados no domingo passado por quem mora na comunidade mostram policiais encurralando e agredindo pessoas, respectivamente, em duas vielas: na Três Corações e na do Louro, que são paralelas, mas não se interligam.

Ambas as vielas dão acesso às ruas Ernest Renan e Rudolf Lutze, que fazem esquina uma com a outra.

A Viela Três Corações tem dois portões em cada uma de suas entradas. O portão que dá acesso à rua Rudolf Lutze estava trancado no domingo.

 

"Fecharam as duas entradas, subiram os policiais lá pela viela, e o pessoal se sentiu acuado na viela e [os PMs] começaram a jogar bomba", disse uma moradora que não quis se identificar.
 

Ela contou ainda que ouviu gritos. Afirmou ainda que apenas os moradores de Paraisópolis têm acesso à chave do portão que abre a saída da viela.

Outra mulher contou que estava no baile e conseguiu fugir, mas foi agredida pelos PMs.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
00:00/12:24
 
 
 
 
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença
Avó de esposa de Bolsonaro continua internada com coronavírus
MPMS vai investigar denúncias de irregularidades em ‘curso de bombeiro mirim’ em Campo Grande
Proibida de participar de licitação, empresa ganha pregão de R$ 60 milhões com a Sefaz-MS
Presidente da Bolívia testa positivo para covid-19
Duas jovens paulistas são presas em MS com malas recheadas de maconha
OMS manda especialista para investigar origem da Covid-19 na China
Frio começa a ir embora no fim de semana em Mato Grosso do Sul
Exame particular da covid-19 pode custar entre R$ 160 e R$ 300 na Capital