Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020
(67) 99820-0742

Polícia prende suspeitos de torturar e matar homem no Céuzinho

16 setembro 2020 - 08h00Por Top Midia News

Policiais do GOI (Grupo de Operações e Investigações), juntamente com policiais da 2ª Delegacia de Polícia, prenderam quatro suspeitos de participarem do assassinato de Ronaldo Nepomuceno Neves, 48 anos, encontrado morto no dia 12 de setembro, no Ceuzinho, que fica na saída para Rochedo, em Campo Grande.

Testemunhas, que tiveram o nome preservado, colaboraram com a investigação, apontando os possíveis participantes no crime. Igor Figueiro Rando, conhecido como Bin Laden, Marcelo Augusto da Costa Lima, vulgo Marcelinho, Almiro Cassio Orgeda, vulgo Drácula, e Kelvin Dinderson dos Santos, vulgo Diabo Loiro, são suspeitos do crime.  

Marcelo Augusto contou, em depoimento, que a vítima era conhecida pelo apelido de Brasília e que teria apontado Alemão como autor de um roubo, em uma wiskeria. Alemão teria sido torturado por Brasília, mas conseguiu fugir. Minutos depois, ele voltou a um local conhecido como Chacrinha, deu uma rasteira em Brasília e passou um cinto no pescoço dele.

Alemão mandou Marcelinho pegar a caminhonete da vítima, que foi colocada no banco traseiro. Ele disse que Brasília foi amordaçado e implorava para viver. Alemão quebrou uma garrafa e começou a perfurar a vítima dentro da caminhonete. No Ceuzinho, ele utilizou uma pedra para ferir ainda mais Brasília.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulher de 52 anos é autuada após colocar fogo em lixo de terreno
Hamilton Mourão rebate críticas às queimadas
Vice-presidente do Flamengo defende volta da torcida aos estádios
Em diligência no Pantanal, senadores dizem que cenário é devastador
Xuxa avisa que vai deixar a Record no fim do ano: 'infelizmente'
Motorista da Uber furta calça jeans, confessa crime
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Chuva não chega em Corumbá, mas na Bolívia tem até temporal e nevasca
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax