Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Polícia Civil ouve testemunhas de ação da PM em Paraisópolis que deixou 9 mortos e 12 feridos

02 dezembro 2019 - 10h15Por G1

Os policiais do 89º DP, no Portal do Morumbi, vão ouvir frequentadores do baile, parentes de vítimas e outros policiais que ajudaram a socorrer as vítimas. Nove pessoas, sendo uma mulher e oito homens, morreram pisoteadas.

Seis policiais militares que participaram da ação no baile foram ouvidos na tarde de domingo. As armas deles foram apreendidas.

De acordo com a polícia, agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizavam uma Operação Pancadão na comunidade – a segunda maior da cidade, com 100 mil habitantes – quando foram alvo de tiros disparados por dois homens em uma motocicleta. A dupla teria fugido em direção ao baile funk ainda atirando, o que provocou tumulto entre os frequentadores do evento, que tinha cerca de 5 mil pessoas.

 

No entanto, os frequentadores do baile negam a versão dos PMs. A mãe de uma adolescente de 17 anos que estava no local e que foi agredida com uma garrafa disse que os policiais fizeram uma emboscada para as pessoas que estavam no baile.

 

O porta-voz da Polícia Militar, o tenente-coronel Emerson Massera, defendeu a atuação da tropa. Ele disse que nenhum policial fez disparos com armas de fogo e que os criminosos em fuga usaram os frequentadores para se proteger.

“Os criminosos utilizaram as pessoas que estavam frequentando ali o baile funk como uma espécie de escudo humano para impedir a perseguição policial, o trabalho da polícia", afirmou.

O porta-voz também disse que os vídeos que mostram agressões de policiais serão analisados.

“Nós recebemos as imagens, todas as imagens já estão incluídas no inquérito policial militar para serem analisadas. Nós não temos certeza de que tudo tenha acontecido nesta madrugada, mas de alguma forma algumas imagens nos sugerem abusos, nos sugerem uma ação desproporcional por parte da polícia e evidentemente que o rigor na apuração vai responsabilizar quem efetivamente cometeu algum excesso, cometeu algum abuso.”

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
00:00/00:09
 
 
 
 
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Empresa vence licitação de R$ 1,6 milhão para reforma do Detran em Dourados
Padre que atendeu feminicida antes de morte na igreja pede às pessoas para ‘se abrirem’
Polícia investiga PMs por denúncia de agressão à mulher negra em SP
Coronavírus: Pfizer e BioNTech recebem ‘fast track’ para 2 possíveis vacinas nos EUA
Em julgamento de recurso, Justiça livra prefeito de Laguna Carapã de acusação de nepotismo
Em retaliação aos EUA, Pequim coloca senadores republicanos em ‘lista negra’
Esposa de John Travolta morre aos 57 anos
Idosa de 64 anos é mais uma paciente a perder a batalha contra covid-19 em Campo Grande
Marido é preso por estuprar mulher duas vezes após a agredir e deixar inconsciente
Funcionários reclamam de falta até de papel toalha no HRMS, referencia para coronavírus