Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Irmã suspeita de fazer mulher deficiente auditiva refém vai depor e já foi indiciada

29 junho 2020 - 12h00Por Midia Max

Suspeita de manter a irmã de 39 anos em cárcere privado, moradora no Nova Lima, em Campo Grande, deve prestar depoimento para a Polícia Civil nesta segunda-feira (29). O caso foi descoberto após a vítima tirar a foto com um sinal de ‘X’ vermelho na mão. Isso faz parte do projeto “Sinal Vermelho para a Violência Doméstica”, em apoio às vítimas.

Conforme a delegada Fernanda Félix, titular da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), a suspeita já foi indiciada pela injúria real, humilhação e agressões contra a irmã. Ela também responderá pelo furto do benefício do INSS da vítima, mas o crime de cárcere privado ainda é investigado.

Segundo a delegada, foi apurado que a vítima não era obrigada a fazer os serviços domésticos na casa, mas coagida. Deficiente auditiva, ela foi ouvida na delegacia especializada com apoio de um intérprete de libras, que possibilitou o depoimento.

Conforme o Promuse (Programa Mulher Segura) da Polícia Militar, esse foi o primeiro caso atendido em Campo Grande da campanha. Na manhã de quinta-feira (25), a vítima procurou ajuda da filha, que mora na cidade de Aquidauana.

“Sabendo da campanha, como ela não poderia ir até uma farmácia, conseguiu se esconder no quarto e mandou a foto com o símbolo para a filha”, explicou Gizele Guedes Viana, sargento do 1º BPM de Campo Grande. Assim, a família procurou a polícia de Aquidauana, que acionou o Promuse em Campo Grande.

“Fomos até a casa, onde ela relatou toda a violência em libras e foi resgatada junto com a filha de três anos”, afirmou Gizele. Ainda confome a denúncia, a vítima era obrigada a fazer todos os afazeres domésticos, também era proibida de sair de casa e, muito menos, ir ao médico. A mulher sofria ofensas, humilhações, também era constrangida pelo cunhado e a irmã, que não tinham pudor com questões intimas do casal.

Com isso, a vítima e a filha de três anos foram retiradas da casa e levadas para a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) em Campo Grande, que tomará as medidas necessárias. O caso será investigado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Criança atropelada na MS-276 está internada em estado gravíssimo
Morador de Rio Brilhante morre de covid-19 aos 55 anos
Capotamento de Hilux destruiu raio-x que seguia para a UPA Universitário
Brasil chega aos 70 mil mortos pela covid-19
Em 14 dias, ocupação das UTIs de Campo Grande quase dobrou e chega a 75%
Ex-secretário de Saúde do Rio estava com R$ 6 milhões em espécie
Justiça rejeita pedido de interferência na Prefeitura de Dourados sobre falta de leitos
Polícia fiscaliza 12 toneladas de pescado em Campo Grande e encontra irregularidade
Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença