Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Homem dá tiro de pistola na rua e corre da PM no São Francisco

05 abril 2020 - 09h00Por Top Midia

Edézio Vilela de Oliveira, 44 anos, foi preso pela Polícia Militar na noite deste sábado (4), por atirar com uma pistola, na rua Anápolis, no São Francisco. Ao ser abordado pela Polícia Militar, o suspeito correu e escondeu a arma. 

Conforme boletim de ocorrência, a PM foi chamada por conta de uma briga e tiros, no cruzamento das ruas Anápolis e Travessa Fab. Na aproximação da polícia, Edézio correu e entrou na casa dele, que fica próximo. 

Ainda segundo o registro, enquanto a PM fazia a entrada com cautela na residência, Oliveira escondeu a arma e depois se apresentou aos policiais, questionando o que teria ocorrido. Os PMs revistaram toda a casa e de início acharam duas caixas de munições em uma prateleira. Ainda assim, Edézio negou estar armado. Instantes depois, a pistola Taurus calibre 7.65, com um carregador com sete munições não deflagrada e uma emperrada no cano foi achada. 

Diante do flagrante, o suspeito foi algemado e preso e depois levado para a Depac Centro. Um homem de 36 anos, que estava próximo ao local do tiro, também foi levado para a delegacia.  Ele estava ferido e disse que apanhou, mas não soube dizer quem foi o agressor. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Atleta diz que não respeitou quarentena e tem medo de perder os pais para Covid-19
Para de ser tão ciumenta: mulher surta e esfaqueia marido em residência
Cantora gospel morre de Covid-19 e deixa marido infectado
“É desesperador, estou pagando as parcelas ainda”, diz trabalhador ao ver carro pegando fogo
Santa Casa de Corumbá recebe recursos do Ministério da Saúde para ações de controle ao Covid-19
Muambeiro é preso com mercadoria do Paraguai em hotel
Por gasolina a R$ 2,50 o litro, douradenses enfrentam frio e fila que começou às 3h
Espanha reabrirá fronteiras terrestres com Portugal e França neste mês
José de Abreu é desligado da Globo após 40 anos
Preso de 43 anos é suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann em 2007