Menu
Busca sexta, 10 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Focus corta estimativa do PIB em 2020 de -3,76% para – 4,11%

11 maio 2020 - 08h00Por MidiaMax

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia brasileira e a crise política no governo de Jair Bolsonaro fizeram os economistas do mercado financeiro cortarem novamente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Conforme o Relatório de Mercado Focus, a expectativa para a economia este ano passou de retração de 3,76% para queda de 4,11%. Há quatro semanas, a estimativa era de baixa de 1,96%.

Para 2021, o mercado financeiro manteve a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), de alta de 3,20%. Quatro semanas atrás, estava em 2,70%.

Em março, na esteira da pandemia, o BC atualizou, por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o PIB em 2020, de alta de 1,8% para variação zero. O próprio BC, no entanto, já reconheceu que o cenário está se alterando rapidamente e que, por isso, a projeção do RTI não reflete a situação atual.

No Focus divulgado nesta segunda-feira, 11, a projeção para a produção industrial de 2020 foi de baixa de 2,75% para recuo de 3,00%. Há um mês, estava em baixa de 1,42%. No caso de 2021, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 3,00% para 2,75%, ante 2,95% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2020 passou de 62,10% para 64,15%. Há um mês, estava em 60,00%. Para 2021, a expectativa foi de 64,98% para 65,20%, ante 60,73% de um mês atrás.

Déficit primário

O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira nova mudança na projeção para o resultado primário do governo em 2020 A relação entre o déficit primário e o PIB este ano foi de 7,20% para 7,52%. No caso de 2021, foi de 1,90% para 2,00%. Há um mês, os porcentuais estavam em 4,14% e 1,00%, respectivamente

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2020 foi de 11,30% para 12,00%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2021, seguiu em 5,70%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 9,02% e 4,95%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros

Os avanços nas projeções refletem a expectativa de que, com o aumento das despesas do governo durante a pandemia do novo coronavírus, o País terá um cenário fiscal ainda mais difícil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com gasolina mais cara, inflação volta a subir em Campo Grande
MS passa dos 12 mil casos de coronavírus e registra 146 mortes pela doença
Avó de esposa de Bolsonaro continua internada com coronavírus
MPMS vai investigar denúncias de irregularidades em ‘curso de bombeiro mirim’ em Campo Grande
Proibida de participar de licitação, empresa ganha pregão de R$ 60 milhões com a Sefaz-MS
Presidente da Bolívia testa positivo para covid-19
Duas jovens paulistas são presas em MS com malas recheadas de maconha
OMS manda especialista para investigar origem da Covid-19 na China
Frio começa a ir embora no fim de semana em Mato Grosso do Sul
Exame particular da covid-19 pode custar entre R$ 160 e R$ 300 na Capital