Menu
Busca segunda, 06 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Estado registrou mais de 2 milhões de raios apenas no ano passado

13 janeiro 2020 - 16h45Por Campo Grande News

Mato Grosso do Sul registrou no ano passado quase 2 milhões de raios (descargas atmosféricas). Do total, cerca de 700 mil foram de nuvem solo (raios que começam na nuvem e terminam no solo) e mais de 1,2 milhão de descargas intra-nuvens (que acontecem no interior das nuvens Cumulonimbus), ocorrências naturais e que trazem risco à população. Os dados são da Energisa que faz o acompanhamento destas incidências.

 

A concesssionária alerta para o aumento nas chuvas deste início do ano e, consequentemente, aumentam também as descargas atmosféricas, capazes de causar danos dentro das residências ou empresas. Isso ocorrem porque o calor e a umidade do ar, em conjunto, contribuem para formação de nuvens de tempestades que estimulam a ocorrência desses fenômenos da natureza.

Dados divulgados pelo Instituto de Nacional de Meteorologia (Inmet) apontam, que o volume de chuvas para janeiro pode chegar a 150mm de acumulado, e há previsão também de temporais em diversas cidades do Estado. “O período de setembro a março, ou seja, da primavera até o fim do verão, é tido como estação das chuvas no Brasil, com formação constante das nuvens do tipo Cumulonimbus - as mais perigosas e que geram raios de alta intensidade” - alerta a especialista em Meteorologia, Franciane Rodrigues, do CEMTEC/MS.

Ela explica que o Brasil é campeão em descargas atmosféricas por ser o maior país da zona tropical do planeta, lembrando que MS está no topo do ranking. “Essa alta incidência é geográfica - por estarmos em uma área central, onde o clima é mais quente e, portanto, mais favorável à formação de tempestades e raios”, finaliza a meteorologista.

“Os raios, podem atingir diretamente as pessoas e imóveis, ou ainda, pode acontecer por meio de objetos metálicos, telefonia, antenas externas, redes de TV e internet via cabo”, explica o gerente do Departamento de Operação da Energisa, Fernando Corradi. Ele informa no ano passado foram mais de 60 mil atendimentos ocasionados por eventos climáticos.

É preciso ficar atento pois além dos raios, os temporais geralmente são acompanhados de fortes rajadas de ventos, o que acabam trazendo ainda mais riscos para as pessoas. “Os ventos, além de lançar objetos sobre as redes de energia, podem provocar a queda de árvores e galhos sobre carros e casas”, alerta o gerente.

Monitoramento do tempo - A ferramenta “Net Clima”, utilizada pela Energisa está presente em todas as unidades da empresa, e é capaz de realizar, diariamente, o monitoramento dos raios, analisando ainda informações do passado e presente; fazendo o monitoramento real das tempestades; e também da previsão do tempo.

 

Além do sistema de monitoramento, desenvolvido pelo Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), em parceria com a Aneel e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a concessionária conta com o plano de contingência e treinamento das equipes.

“Contamos com equipes treinadas e mobilizadas para atender à população o mais rápido possível em casos de interrupções de energia, além de recursos, ferramentas necessárias para o enfrentamento dessas situações. O sistema elétrico conta também com equipamentos automatizados, que permitem manobras a distância, diretamente do Centro de Operação da distribuidora, garantindo mais agilidade na recomposição do sistema”, explica.

Dicas - Em situações de descargas atmosféricas, a Energisa recomenda que:
• Retire os aparelhos eletroeletrônicos das tomadas;
• Nunca utilize telefone com fio ou aparelho conectado à tomada durante uma forte tempestade com incidência de raios;
• Se precisar fazer uma ligação, dê preferência aos celulares;
• Deixe para carregar ou smartphone em outro momento e sempre opte por usar o notebook na bateria e pela rede Wi-Fi, dispensando o uso de fios;
• Os cabos telefônicos, cabos de TV por assinatura e fiação de antenas são capazes de conduzir a corrente elétrica dos raios até os aparelhos. Por isso, é aconselhável retirar os aparelhos eletrônicos (normalmente mais sensíveis) das conexões com rede de telefonia, TV a cabo e antena externa;
• Sempre que puder instale dispositivos de proteção contra surtos, as DPS, conforme NBR-5410 (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e aterre a rede elétrica da residência ou comércio;
• Não utilize chuveiro ou torneira elétrica (secador, chapinha etc);
• Quando ouvir os trovões, nunca fique em campo aberto. Procure abrigo imediatamente em construções e feche os vidros e janelas;
• Durante temporais, evite aglomerações;
• Evite ser o ponto mais alto das proximidades ou estar próximo dele;
• Se não for possível se abrigar, agache-se, com as mãos na nuca e pés juntos;
• Não fique embaixo de árvores ou próximo a torres;

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Luciano Huck anuncia retorno do ‘Caldeirão do Huck’ aos Estúdios Globo
Com 84,3% de leitos ocupados, Hospital Regional entra em alerta
Japão intensifica resgate após inundações que deixaram ao menos 44 mortos
Contrato milionário entre empresa de TI e MPMS é prorrogado por um ano
Governo de MS suplementa R$ 3,3 milhões para a Agesul, Saúde e Iagro
Celulares doados pela Receita Federal serão utilizados no Disk Covid
Funsat oferece 50 vagas de menor aprendiz nesta segunda para Campo Grande
Mulher é flagrada com cocaína em bolsa de bebê em cidade de MS
Governo aumenta número de testes do coronavírus em Corumbá e Três Lagoas
Kit para evitar casos graves de covid tem hidroxicloroquina e antibiótico