Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020
(67) 99820-0742
Set

Em vez de reduzir danos, maconha pode piorar vício em cocaína e crack, diz estudo

15 janeiro 2020 - 14h30Por G1

Pessoas com dependência em cocaína e crack por vezes associam fumar maconha a uma forma de atenuar a "fissura", ou ansiedade, por aquelas drogas. Essa associação já foi inclusive endossada no passado por pesquisas científicas e profissionais de saúde como estratégia de redução de danos.

Mas não é o que indicam agora pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em um artigo publicado em dezembro no periódico internacional "Drug and Alcohol Dependence".

Acompanhando o histórico de 123 pessoas em etapas de um, três e seis meses — 63 dependentes de cocaína e usuários recreativos de maconha; 24 dependentes de cocaína, apenas; e 36 voluntários saudáveis, sem histórico de uso de drogas, compondo um grupo controle —, os autores afirmam praticamente "descartar" o uso da maconha fumada como estratégia de tratamento para dependentes de cocaína.

Isto porque, a médio e longo prazo, a associação entre essas drogas mostrou maior propensão à recaída e piora em capacidades cognitivas, como na atenção e memória. Mas não descartam, porém, o potencial de exploração para tratamento da dependência em cocaína de uma substância específica da maconha, o canabidiol, que, isolado, tem demonstrado seu efeito terapêutico para outros usos.

 

Apesar de ser focar dependentes de cocaína (ou crack, originado da mesma planta, mas fumado), os pesquisadores da USP dizem que seus resultados têm ressonância no uso recreativo da maconha pelo público em geral e seus efeitos psiquiátricos (confira mais abaixo).

"A cocaína está no grupo das substâncias denominadas estimulantes, como a metanfetamina e outros sintéticos. Já a maconha tem uma classificação de droga perturbadora da atividade mental, que pode produzir efeitos psicóticos, mas cujo uso é associado a uma sensação de relaxamento, de diminuição da ansiedade. São efeitos encarados como complementares, portanto a frequência que vemos dos usuários associarem essas substâncias", explica Hercílio Pereira de Oliveira Júnior, primeiro autor do artigo, doutor e pesquisador em psiquiatria na Faculdade de Medicina da USP.

 

Resultados inéditos

 

Os dependentes em cocaína participantes passaram um mês tratando-se em internação voluntária no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP e, depois, foram acompanhados por um mês pela equipe. Eles eram predominantemente homens, com idades entre 25 e 35 anos e mais ou menos dez anos de escolaridade. Já o grupo controle foi formado por funcionários do hospital e de um posto policial próximo; por estudantes de uma escola nas redondezas; e moradores da vizinhança.

 

Um mês após a alta, mantiveram a abstinência 77% dos dependentes de cocaína que também fumavam maconha; após três meses, 35%; seis meses, 19%.

Já no grupo de dependentes de cocaína que não fizeram uso de maconha, 70% mantiveram a abstinência após um mês de alta; três meses depois, o percentual foi de 44%; e seis meses, 24%.

Assim, no primeiro mês, o grupo que também fumava maconha se manteve mais abstinente, mas depois do terceiro mês, a tendência se inverteu, indicando possíveis danos desta combinação de drogas em um prazo maior.

Em comparação ao grupo controle, o estudo encontrou ainda piores indicadores neurocognitivos nos dois grupos dependentes de cocaína em habilidades como memória, velocidade de processamento e tomada de decisão. Mas aqueles que usavam também maconha tiveram resultados ainda piores nas chamadas funções executivas — ligadas por exemplo à capacidade de sustentar a atenção em certos contextos, memorizar informações e planejar comportamentos mais complexos. Estes mostraram ainda maior dificuldade para frear impulsos.

Estas habilidades foram medidas com testes cognitivos e exames de neuroimagem. Durante o processo, os participantes foram monitorados também com exames de urina, para verificar o eventual uso de drogas.

Os autores defendem o ineditismo dos experimentos resultados, até mesmo a nível mundial, por incluir uma amostra razoavelmente homogênea e numerosa, um grupo controle, testes de urina para excluir o uso de outras drogas e uma bateria intensa de testes de acompanhamento.

Mas apontam também limitações, como a não consideração de outras variáveis que não o uso de drogas com possível interferência em funções cognitivas, por exemplo a qualidade do sono; e ainda a falta de um grupo formado por usuários exclusivamente de maconha, que poderia contribuir para o entendimento isolado dos impactos desta droga.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANS faz acordo para melhorar atendimento de planos coletivos de saúde
Indústria de alimentos e bebidas cresce 0,8% no primeiro semestre
Homem é morto a facadas e polícia suspeita de acerto de contas por tráfico
Doria testa positivo para covid-19
Covid-19: eliminatórias asiáticas para Copa do Mundo são adiadas
Adolescente morre após encostar em carregador que estava na tomada
Assaltante ameaça esfaquear vítima durante roubo
João Doria é diagnosticado com covid-19
Testes para entrega de produtos por drones são autorizados pela Anac
Fugitivo da cadeia é suspeito de estuprar sogra cadeirante