Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

Em 1ª sentença da Máfia do Cigarro, Justiça Federal condena dupla a prisão

03 dezembro 2019 - 15h15Por MidiaMax

O juiz Ricardo Wiliam Carvalhos dos Santos, da Justiça Federal em Naviraí, proferiu a primeira sentença contra a máfia do contrabando de cigarros desarticulada pela Polícia Federal durante a Operação Teçá, deflagrada no dia 8 de agosto, em Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Norte.

Deividy Fernando Panício dos Santos, foi condenado a cinco anos e dez meses de reclusão em regime fechado. Conforme apurado, ele atuava como coordenador da organização criminosa, com a função de manter contatos com motoristas, batedores, olheiros e policiais corruptos. O principal objetivo era sincronizar a passagem dos caminhões para que não houvesse risco de abordagem.

Ele falava com todos ao mesmo tempo e estava muito próximo do batedor. Rodrigo Barros de Araújo, que desempenhava papel de batedor, responsável pela escolta da droga e monitoramento da rodovia, foi condenado a quatro anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto. Ao todo, o grupo investigado movimentou cerca de R$ 144 milhões em contrabando. 

De acordo com a Justiça Federal em Mato Grosso do Sul, o processo dos dois foi desmembrado em relação aos demais réus que se encontram soltos com previsão para breve julgamento. A organização criminosa tinha o objetivo de contrabandear cigarros estrangeiros do Paraguai, bem como garantir que a carga alcançasse, no território brasileiro, seu destinatário.

Após o ingresso da carga ilegal no Brasil, o motorista seguia em um corredor logístico criado pela organização até as cidades de Iguatemi e, posteriormente, Eldorado, para dali seguir para o estado do Paraná. Antes do motorista passar por esses pontos, os batedores de pista avisavam o coordenador responsável pela região sobre a presença de forças policiais na via.

De acordo com a Polícia Federal, durante as apurações, foram apreendidos além de R$ 144 milhões em contrabando, 155 veículos usados para transportar os cigarros. 75 pessoas foram presas. A operação foi batizada de Teçá, que no idioma guarani significa “estado de atenção”, segundo a PF, por causa da rede de olheiros e batedores que as quadrilhas de cigarreiros utilizam para monitorar a polícia e fugir da fiscalização. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Empresa vence licitação de R$ 1,6 milhão para reforma do Detran em Dourados
Padre que atendeu feminicida antes de morte na igreja pede às pessoas para ‘se abrirem’
Polícia investiga PMs por denúncia de agressão à mulher negra em SP
Coronavírus: Pfizer e BioNTech recebem ‘fast track’ para 2 possíveis vacinas nos EUA
Em julgamento de recurso, Justiça livra prefeito de Laguna Carapã de acusação de nepotismo
Em retaliação aos EUA, Pequim coloca senadores republicanos em ‘lista negra’
Esposa de John Travolta morre aos 57 anos
Idosa de 64 anos é mais uma paciente a perder a batalha contra covid-19 em Campo Grande
Marido é preso por estuprar mulher duas vezes após a agredir e deixar inconsciente
Funcionários reclamam de falta até de papel toalha no HRMS, referencia para coronavírus