Menu
Busca quinta, 23 de janeiro de 2020
(67) 99820-0742
Set

Com preço na altura, jeito é “matar o boi” ou Natal será com porco e frango

03 dezembro 2019 - 14h30Por Campo Grande News

Natal pede lombo suíno ou leitoa à pururuca. Essa frase, tradição em muitas famílias, pode ser agora a saída para salvar o Natal em 2019 para os carnívoros, traço típico dos sul-mato-grossenses. Com a carne bovina lá em cima, que chega, em alguns locais, a atingir 30% a mais no preço final, o jeito é comprar filé mignon suíno.

 

O Mercado Municipal de Campo Grande – o Mercadão – é ponto de encontro de campo-grandenses e turistas, misto de cores e cheiros e destino de quem quer encontrar carne boa, ainda que a um preço mais salgado. Nesta terça-feira (3), no entanto, o preço está nas alturas.

Nos corredores, a conversa do consumidor é informada. Sabem que os preços subiram porque a equipe econômica do governo priorizou a exportação (entre outros motivos) e que o brasileiro é que paga o pato.

O aposentado Marcelo Aparecido, 51, estava na boca do caixa e o preço alto da carne bovina não fez com que mudasse a escolha pelo coxão mole e a bisteca, mas fez com que comesse menos carne ao longo da semana, conforme explicou.

“Fomos pegos de surpresa. Assustou, mas acho que é em função das exportações, faltou a previsão, faltou planejamento. É claro que o empresário vai querer lucrar, vai estar preocupado com o lucro, para ele em dólar é melhor”, avaliou.

A proprietária de um açougue que preferiu não ser identificada pedia ajuda para um dos funcionários para avaliar o impacto nas vendas. Afirma que por ali o movimento caiu em 60%. Nem o porco, que subiu um pouco menos do que a carne bovina, tem vendido muito. Especialistas acreditam que demore, em média, 4 meses para que os preços caiam novamente.

“Não é como antes, é um Natal fraco, antes tínhamos tanta encomenda, as pessoas sabiam o que queriam comprar. Até agora, nenhuma encomenda de leitão”, disse. Basta olhar a tabela para entender: R$ 37 o quilo do leitão.

"Matar o próprio boi" – A crise ensina o campo-grandense a comer outras carnes além da bovina. É o que alega o fiscal de obras Cláudio Roberto Gomes, 43, que não vai sempre ao mercadão, só em ocasiões especiais, porque prefere o preço mais ameno dos mercados de bairro.

 
 

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

Após tumor, filho de bombeiro precisa de R$ 45 mil para voltar a sorrir e comer
Garoto confessa que ajudou a matar adolescente a machadadas e por ciúme
Prova do Processo Seletivo para quadro temporário de professores acontece domingo, dia 26
Com apoio da Marinha, mutirão de limpeza no Centro América vai até sábado
Fundação de Turismo do Pantanal reforça luta contra a dengue
Prefeitura já iniciou trâmites para conserto de pavimentação da Cabral
Prefeitura convoca mais três aprovados em Concurso Público
PRF, BPChoque da PM/MS e Defurv da PC/MS apreendem 8,7 kg de cocaína em Miranda (MS)
Com menos de 10% do estoque para todo o MS, Hemosul entra em estado de emergência
Nomeação de Regina Duarte deve ocorrer após viagem à Índia