Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99820-0742
Set

China leva fama pela alta da carne, mas seca e lucro são os vilões

04 dezembro 2019 - 15h45Por Campo Grande News

A disparada nos preços das carnes bovina, suína e de frango de 30% em média somente na Capital e até 50% no País,e não é culpa apenas do “apetite chinês”. A seca que reduziu o volume de animais para o abate, a supervalorização do dólar que torna o mercado externo mais atraente para venda e até principalmente a prática de uma margem de lucro abusiva que pode chegar a 100% de ganhos em cima do produto são as grandes vilãs desta majoração.

 

De acordo com o analista pecuário Júlio Brissac, da Ruralbusiness, a prática de uma margem de lucro elevada sobre a carne por parte dos atacadistas tem um peso muito grande na composição dos preços. “Dependendo dos cortes, como é o caso do traseiro, a margem de lucro pode chegar a 100%, enquanto em outros países como nos EUA gira em torno de 30%. Sabemos que a tributação aqui pesa sobre a indústria, mas ninguém quer conversar sobre a margem de lucro, que é absurda ”, destaca.

Segundo ele, a formação do preço do boi no frigorífico é uma verdadeira “caixa preta da pecuária”. “Estamos na era digital e as informações sobre a pecuária dentro e fora do frigorífico parecem estar no lápis e papel”, destaca fazendo alusão à dificuldade de ter acesso as planilhas das indústrias no quesito de valores. “Tem frigorífico que vende até 80% de sua produção para mercado externo. Ou seja não estão preocupados com o mercado interno”, critica o analista que considera um descaso por parte da indústria com o consumo interno de carne.

Queda - O presidente da Associação de Matadouros, Frigoríficos e Distribuição de Carnes de MS (Assocarnes) MS Sérgio Capucci destaca que existem três partes neste processo: produtor, indústria e açougue e o mercado e o consumidor. “Quando o preço do boi está subindo quem ganha é o produtor e a indústria e o açougue, quem mais perde é o consumidor final”, detalha. Capucci alega que a alta nas cotações foi puxada principalmente pela escassez de bois no País. “Na composição de custos da arroba a exportação para a China representaria uns 30% e os outros 70%,seria de baixa oferta de gado, diante da seca prolongada deste ano”, afirmou.

Ele lembra que em todo este período de alta foi positivo para o produtor e a indústria. Porém ele justifica que os preços já estão começando a baixar. “Neste momento o mercado já sinalizou que começa um movimento de baixa. O boi que estava cotado a R$ 220 a arroba já está com menores preços de R$ 205 e muitos frigoríficos estão com as compras paradas por não conseguirem vender sua produção”, acrescentou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Empresa vence licitação de R$ 1,6 milhão para reforma do Detran em Dourados
Padre que atendeu feminicida antes de morte na igreja pede às pessoas para ‘se abrirem’
Polícia investiga PMs por denúncia de agressão à mulher negra em SP
Coronavírus: Pfizer e BioNTech recebem ‘fast track’ para 2 possíveis vacinas nos EUA
Em julgamento de recurso, Justiça livra prefeito de Laguna Carapã de acusação de nepotismo
Em retaliação aos EUA, Pequim coloca senadores republicanos em ‘lista negra’
Esposa de John Travolta morre aos 57 anos
Idosa de 64 anos é mais uma paciente a perder a batalha contra covid-19 em Campo Grande
Marido é preso por estuprar mulher duas vezes após a agredir e deixar inconsciente
Funcionários reclamam de falta até de papel toalha no HRMS, referencia para coronavírus