Menu
Busca domingo, 05 de abril de 2020
(67) 99820-0742
Set

Atacado por pit bull, Carlos chora e pede ajuda para voltar a SP

24 fevereiro 2020 - 18h00Por Campo Grande News

Internado na Santa Casa de Campo Grande se recuperando dos ferimentos que sofreu ao ser atacado por um cão pit bull na madrugada de sábado (22), Carlos Albergaria, 54 anos, chora e pede ajuda para voltar para casa, em Quatá, no interior de São Paulo. Durante o ataque, na região do Indubrasil, a vitima sofreu ferimentos no rosto, na cabeça e teve um tampão do braço esquerdo arrancado pelo cão. 

Em entrevista à reportagem, Carlos disse que chegou à cidade há cerca de 15 dias para trabalhar como tratorista em uma fazenda de Sidrolândia. No dia do ataque, segundo ele, seguia para o município de bicicleta com uma mochila nas costas e um cobertor, quando ao parar para descansar na estrada, foi atacado pelo cachorro. "Estava deitado à beira da rodovia, de repente o cachorro começou a me atacar. Não sei de onde ele veio. Queria pegar no meu pescoço, mas me defendi colocando o braço na frente", contou. 

Segundo Carlos, o cachorro só não o matou porque durante o ataque caiu numa vala e para se defender jogou terra no animal. "Joguei um punhado de terra nele. Foi o que fez ele se afastar. Depois, sai caminhando em busca de ajuda. Como era de madrugada, por volta das 4h, não tinha ninguém na rodovia. Andei de 15 a 20 km até encontrar ajuda. Meu braço sangrava muito", disse emocionado à equipe.O paciente não sabe o que vai fazer depois que receber alta médica. Sem familiares aqui, ele pede ajuda para voltar à cidade onde morava, no interior de São Paulo. "Se me colocarem em um ônibus até Presidente Prudente (SP) já está bom. Depois eu me viro", contou. Sobre a família não soube passar muitos detalhes, mas disse que a mãe se chama Maria Aparecida e lembra de cabeça o número da identidade. "Estou sem roupa, sem documentos". A mochila que Carlos carregava com os seus pertencentes ficou no local do ataque.

 

Socorro - A vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros à Santa Casa, onde passou por cirurgia realizada pela equipe de ortopedia. Morador do Indubrasil, Valdemir da Silva, 55 anos, contou que, por volta das 6h, encontrou a vítima ensanguentada, deitada no ponto de ônibus na Avenida Roda Velha. Segundo a testemunha, Carlos apareceu no bairro há duas semanas, dizendo que havia saído de uma fazenda e pretendia ir para São Paulo, onde tem familiares. "Ele passava o dia no Centro Comunitário ou aqui na rua, perambulando", disse o morador.

A vizinhança chegou a acionar a SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social), mas quando uma equipe foi ao local não localizou o homem. A suspeita é de que a vítima tenha sido atacada por algum cão de guarda de chácaras da região. "Ele tremia muito. Estava todo ensanguentado, com vários ferimentos, principalmente no braço", contou Valdemir.

Deixe seu Comentário

Set 2

Leia Também

Universidade vai produzir álcool 70% para atender demanda do HU de Dourados
Parceria vai consertar respiradores parados para atender pacientes com coronavírus em MS
Polícia atende denúncias de aglomeração e prende foragidos da Justiça
Futebol brasileiro tenta salvar 156 mil empregos durante a crise do coronavírus
Governo usará dados de teles para monitorar circulação de pessoas
Concurso com 362 vagas e salários de até R$ 10,8 mil prorroga prazo de inscrições
Homem dá tiro de pistola na rua e corre da PM no São Francisco
Homem é assassinado com pauladas na cabeça depois de bater na esposa grávida em Dourados
Estudante arremessado de carro tem morte cerebral constatada
Sem saber que estava grávida de trigêmeos, mulher dá à luz em casa