Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020
(67) 99820-0742

Jorge Lara assume Chefia-Geral da Embrapa Pantanal

23 fevereiro 2017 - 20h53Por Núcleo de Comunicação Organizacional da Embrapa Pantanal

Na terça-feira (21), o pesquisador Jorge Lara assumiu a Chefia-Geral da Embrapa Pantanal (Corumbá, MS). Com mais de 150 participantes, o evento teve a presença dos empregados, dos chefes-gerais da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS) e da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS), de representantes dos governos de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e da Bolívia, membros da sociedade civil, setores produtivos locais, comunidades tradicionais, instituições de pesquisa, extensão rural e outros parceiros da Unidade.

“Entre os principais desafios e oportunidades para a Embrapa Pantanal está a integração do bioma de forma sistêmica. Além da pecuária como matriz econômica, temos muitas oportunidades pontuais que podem ser exploradas – o agroecoturismo, o mel do Pantanal e as raças naturalizadas como o cavalo e o bovino pantaneiro, por exemplo”, afirmou o chefe-geral. De acordo com Lara, o objetivo é fazer da Unidade um fórum de discussão neutro a serviço da sociedade. “Chegar a esse consenso é o desafio do século para o Pantanal”, disse.

Segundo o presidente da Embrapa, Maurício Lopes, a pesquisa deve avaliar e compreender os limites e o potencial da base de recursos naturais disponíveis nessa porção do País, unindo no processo as dimensões econômica, ambiental e social. “Temos que trabalhar as atividades produtivas de maneira inteligente para que não haja desgaste desse patrimônio do Brasil. Tudo isso é extremamente importante para que a Embrapa tenha uma presença cada vez mais consolidada e fortalecida aqui no Pantanal”, disse Lopes. “Vamos ter que intensificar o uso da nossa base de recursos naturais de forma sustentável, bem planejada, usando o melhor da ciência e do conhecimento. Essa é uma frente importantíssima”.

Atuação em rede

De acordo com Guilherme Lafourcade Asmus, chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Lara buscou o contato com outros centros desde o início da liderança da Embrapa Pantanal. “Ele foi estabelecendo os canais e as ligações necessárias para que, ao assumir, ele pudesse estabelecer o que se propôs a fazer desde o começo: trabalhar em conjunto com as Unidades da Embrapa, na competência de cada uma, para contribuir para o desenvolvimento do Pantanal – um dos motes principais do seu plano de trabalho”.

Cleber Soares, chefe-geral da Embrapa Gado de Corte, destacou a presença de representantes dos mais diversos setores na cerimônia. “Isso mostra a importância e a relevância da Unidade e, mais ainda, mostra o reconhecimento da sociedade em relação à Embrapa Pantanal”, disse. “As expectativas são boas e serão respondidas a contento pelo perfil que o Jorge tem, por ser um excelente cientista, uma pessoa muito ponderada, muito equilibrada. A Embrapa precisa de pessoas com esse perfil”.

Apoio governamental

Para Fernando Lamas, secretário de Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul, “o Pantanal é um ambiente, dada sua natureza, cheio de desafios e, por outro lado, também cheio de oportunidades. Então, essa Unidade da Embrapa tem um papel dos mais estratégicos para o bioma e, consequentemente, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso”. Paulo Moura, consultor representante da Assembleia Legislativa de MT, completou: “a Embrapa Pantanal vai atender o bioma como um todo, auxiliando em muitas questões que afligem a região pantaneira”.

Representando o governo departamental de Santa Cruz, na Bolívia, o diretor-executivo do Centro de Investigação Agrícola Tropical (CIAT), Luiz Hurtado, destacou a atuação da Unidade no país vizinho. “O que vivemos na América do Sul nos une. Creio que as necessidades e investigações realizadas pela unidade de pesquisa pantaneira devem beneficiar ambos os países”. O professor Joaquin Ugarteche, da Universidade de Aquino Bolívia (Udabol), falou sobre a cooperação entre as instituições. “Trouxemos estudantes de veterinária para uma visita técnica à Unidade que já estão aplicando o que aprenderam nas propriedades rurais”.

Atores do Pantanal

O setor produtivo esteve representado por diversas instituições na cerimônia – entre elas, as Federações da Agricultura e Pecuária de MS e MT (Famasul e Famato). Para o tesoureiro da Famasul, Luiz Alberto Novaes, a evolução dos sistemas de produção mostra que é possível produzir com sustentabilidade. “Com o apoio da Embrapa Pantanal, podemos construir um ambiente de produção que favoreça a produtividade, a conservação e a qualidade de vida”. Luciano Leite, presidente do Sindicato Rural de Corumbá, reforçou: “vamos trabalhar juntos para o aumento da sustentabilidade, principalmente da pecuária pantaneira”.

A população ribeirinha da Associação de Moradores da Área de Preservação Ambiental (APA) Baía Negra foi representada pela presidente Julia Gonzales. “Com a Embrapa, construímos algumas oportunidades, como o acompanhamento técnico da nossa plantação agroflorestal. Vamos continuar com as parcerias”. O assessor regional do Projeto Gestão Ambiental e Territorial Indígena (Gati), Leosmar Terena, também falou sobre o trabalho com os indígenas Terena na região. “Muitos dos conhecimentos que estou aplicando hoje na minha comunidade são fruto dessa experiência com a Embrapa”.

Perspectivas da gestão

Sobre as expectativas em relação à atuação de Lara, Maurício Lopes destacou a importância da aproximação interna. “Gostaria que o Jorge olhasse para a grande rede Embrapa e percebesse nas nossas unidades parceiras importantes que vão agregar esforço à unidade pantaneira”, diz. “Isso vai fortalecer a liderança e a capacidade dele, da equipe de gestores e da equipe da Embrapa Pantanal, fazendo com que a gente possa fazer cada vez mais e melhor pelo bioma e pelo Brasil”.

Para Lara, aproximar os diferentes setores, unidades, governos e atores envolvidos com o Pantanal por meio dos dados técnicos produzidos com a pesquisa é mais um passo a favor do desenvolvimento sustentável do bioma. “Nesses 43 anos da instituição, a Unidade participou de diversos momentos cruciais para a região. Foram decisões importantes no sentido econômico e humano do Pantanal. Nossos pesquisadores fazem parte da sociedade pantaneira e, sem sombra de dúvida, a Embrapa Pantanal – junto às outras unidades – engrandece o corpo da Embrapa. Tenho orgulho de trabalhar aqui”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

R$ 4,79: MS tem gasolina mais cara do Brasil, segundo levantamento
Mãe abandona crianças de 2 e 6 anos sozinhas para usar drogas no Vida Nova
Mãe tirou foto da filha momentos antes de ela morrer eletrocutada por decoração
Idosa é morta a facadas e tem casa queimada; principal suspeito é marido, que está internado
Funcionários de terceirizada da Energisa entram em greve por tempo indeterminado
Pedreiro e adolescentes mataram vizinho no Nova Lima em briga por registro de água
Agepan inicia mais uma campanha de fiscalização da geração de energia elétrica
Farmacêutica dos EUA vai solicitar uso emergencial de vacina contra Covid-19 no país e na Europa
Três acertam seis dezenas e levam R$ 33 mil em sorteio da Nota MS Premiada
Bio-Manguinhos fornece novo remédio para doenças reumatológicas ao SUS